A capacidade global de produção de bioplásticos deverá aumentar significativamente nos próximos anos, das cerca de 2,4 milhões de toneladas em 2021 para 7,5 milhões de toneladas em 2026. O PBAT biodegradável (polibutileno adipato tereftalato), cuja produção quase quadruplicará, e também o PBS (polibutileno succinato) e as bio-PAs (poliamidas) de base são os principais motores desse crescimento impressionante, de acordo com dados apurados pela associação European Bioplastics e divulgados no início deste mês durante a 16ª conferência da instituição.

 

A produção de ácido polilático (PLA) também continuará a crescer devido a novos investimentos na Ásia, Estados Unidos e Europa. As capacidades de produção de poliolefinas de base biológica, como PE (polietileno) e PP (polipropileno) têm projeções igualmente positivas.

 

Plásticos biodegradáveis, incluindo PBAT, PLA e succinato de polibutileno (PBT), respondem por pouco mais de 64% (1,5 milhão de toneladas) das capacidades globais de produção de bioplásticos. Plásticos de base biológica e não biodegradáveis, incluindo as soluções PE de base biológica e PET de base biológica (tereftalato de polietileno), bem como PA de base biológica (poliamidas), representam quase 36% (0,8 milhões de toneladas).

 

“A importância de uma taxa de crescimento de mais de 200% nos próximos cinco anos não pode ser negligenciada. Antes de 2026, a participação dos bioplásticos na produção global total de plásticos ultrapassará a marca de 2% pela primeira vez. A nossa fórmula de sucesso é uma forte crença nas capacidades da nossa indústria, a aspiração à inovação contínua e a coragem para fazer os investimentos financeiros necessários ”, explicou François de Bie, presidente da European Bioplastics.


 

Embalagens em foco

As embalagens continuam sendo o maior campo de aplicação de bioplásticos, com quase 48 por cento (1,2 milhão de toneladas) do mercado total em 2021. Os dados também confirmam que os materiais bioplásticos já estão sendo usados em muitos outros setores, e o portfólio de aplicações continua a se diversificar. Segmentos como bens de consumo, fibras ou produtos agrícolas e hortícolas continuam a aumentar moderadamente em sua participação relativa.

 

Tendo em vista o desenvolvimento da capacidade regional, a Ásia fortaleceu ainda mais sua posição como importante centro de produção, com quase 50% dos bioplásticos sendo produzidos atualmente na região. Atualmente, quase um quarto da capacidade de produção ainda está localizada na Europa. No entanto, a participação da Europa e de outras regiões do mundo diminuirá significativamente nos próximos cinco anos, com a Ásia ultrapassando os 70% até 2026. “Veremos um aumento impressionante na produção de bioplásticos nos próximos anos. Isso também requer a expansão das instalações de produção. Dessa forma, nossa indústria poderá atender à crescente demanda. Tal como no ano passado, também este ano vimos o anúncio de locais de produção adicionais ”, afirmou Hasso von Pogrell, Diretor Executivo da European Bioplastics.

 

A terra usada para cultivar a matéria-prima renovável para a produção de bioplásticos é estimada em 0,7 milhão de hectares em 2021 e continua a representar apenas pouco mais de 0,01% da área agrícola global de 5 bilhões de hectares. Com o crescimento estimado da produção global de bioplásticos nos próximos cinco anos, a parcela do uso da terra para esta finalidade será menos de 0,06 por cento. “Em relação à área agrícola disponível, essa participação ainda é mínima. Assim, não há competição entre as matérias-primas renováveis para alimentos e rações e a produção de bioplásticos ”, comentou von Pogrell, “Mais de 90% da área agrícola global é usada para pastagens, rações e alimentos”.


 

Gráfico: EUBP


 

Conteúdo relacionado:

Biopolímeros na indústria automobilística

Parceria amplia o uso da tecnologia de produção de “eteno verde”


 

#bioplásticos #EuropeanBioplastics



Mais Notícias PI



Filamento de PHA para impressão 3D

Empresa holandesa adiciona ao seu portfólio uma linha de filamentos feitos de poli(hidroxialcanoato) (PHA), um biopolímero com boa resistência térmica e possibilidade de biodegradação.

27/04/2022


Cartão bancário feito de plástico biodegradável

Banco digital lançou no Brasil o C6 Acqua, sua nova versão de cartão de crédito feito com PLA, plástico de origem renovável e biodegradável.

25/04/2022


Ampliação da capacidade produtiva de bioplásticos no Brasil

A ERT pretende expandir, em dez vezes, a capacidade de produção de bioplásticos de sua unidade fabril em Curitiba, para mais de 3 mil toneladas em 2022 e prevê faturamento de R$ 100 milhões.

19/04/2022