Uma iniciativa liderada Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS), em parceria com entidades do setor, resultou no lançamento do documento “Empresários pelo Clima”, no qual um grupo de mais de 100 empresas e 10 entidades setoriais defendem medidas para favorecer uma economia de baixo carbono e assumem responsabilidades nessa transformação.

 

De acordo com o comunicado do conselho, divulgado à imprensa, esse é o posicionamento que será levado pelo setor para a próxima Conferência sobre o Clima – a COP 26, que acontecerá em novembro, na Escócia – uma vez que o CEBDS representa cerca de 80 grupos empresariais com atuação no Brasil, os quais são responsáveis por 47% do PIB brasileiro e 1,1 milhão de empregos; 13 das 15 maiores companhias em valor de mercado do País são associadas.

 

O documento foi assinado por companhias associadas e não associadas, o que demonstra a relevância da sustentabilidade empresarial. Parte dessas empresas já vêm adotando medidas para a redução e compensação das emissões de gases causadores do efeito estufa (GEE), precificação interna de carbono, descarbonização das operações e das cadeias de valor e estabelecimento de metas ambiciosas de neutralidade climática até 2050. Ou seja, vêm aplicando práticas para transformar suas operações e reduzir seus impactos referentes ao aquecimento global.

 

Ainda segundo o conselho, uma transição rápida para uma economia de baixo carbono é possível e desejada pelo setor empresarial, uma vez que o Brasil pode, inclusive, antecipar sua meta de redução das emissões de gases do efeito estufa. Um outro estudo, também apoiado pelo CEBDS, mostra que o País pode diminuir essas emissões em até 42% já em 2025, em comparação aos níveis de 2005. O compromisso do governo brasileiro é de uma redução de 43% até 2030.

 

Mobilização empresarial

Especificamente no setor do plástico, companhias como Braskem, Dow e DSM aparecem no informativo. Mas outras companhias que empregam ou utilizam materiais plásticos também estão na lista.

 

Diversas entidades empresariais e associações também assinaram o documento, e contribuirão para atrair seus associados, fomentando ainda mais o índice de adoção das medidas. Dentre as instituições participantes estão: Associação Brasileira do Agronegócio (Abag), Associação Brasileira do Alumínio (Abal), Associação Brasileira da Infraestrutura e Indústrias de Base (Abdib), Associação Brasileira e Sindicato Nacional da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq), Câmara Americana de Comércio no Brasil (Amcham Brasil), Centro Brasileiro de Relações Internacionais (Cebri) e International Chamber of Commerce (ICC Brasil).

 

O documento será entregue a autoridades brasileiras envolvidas na agenda de combate às mudanças climáticas. O texto foi apresentado previamente ao presidente da COP 26, Alok Sharma, durante sua visita ao Brasil em agosto passado, para reforçar o compromisso do setor empresarial com a neutralização das emissões.

 

(Foto: Freepik)

#sustentabilidade #emissaodecarbono #aquecimentoglobal #mudancaclimatica



Mais Notícias PI



Mobilidade elétrica: novos grades de PPA voltados à inovação sustentável

Empresa desenvolveu novas soluções de poliftalamida (PPA) projetadas para aplicações em componentes de transportes elétricos e em eletrônica de potência.

30/11/2021


Projeto usará embalagens de EPS na produção de peças para eletrodomésticos

Parceria que visa à fabricação de peças para refrigeradores usando embalagens de EPS pretende reaproveitar 200 toneladas de material pós-consumo até o próximo ano.

30/11/2021


ESG na prática no setor de plásticos

Optar pela desafiadora reciclagem de filmes flexíveis levou a Plastiweber a conceber novos produtos e aplicações para os laminados obtidos a partir de material pós-consumo.

30/11/2021