Uma decisão do desembargador Soares Levada, do Tribunal de Justiça de São Paulo pôs fim esta semana à proibição do fornecimento de copos, talheres e pratos plásticos a clientes de hotéis, restaurantes, bares e padarias na cidade de São Paulo.

O magistrado concedeu uma liminar na ação direta de inconstitucionalidade da lei nº 17.261/2020. Movida em fevereiro pelo Sindicato da Indústria de Material Plástico, Transformação e Reciclagem de Material Plástico de São Paulo (Sindiplast), esta ação aponta “vícios formais e materiais em relação às Constituições Federal e Estadual” ao embasar a argumentação de que os descartáveis são necessários para garantir a higiene no setor de alimentos.Copos, talheres e pratos descartáveis

Inicialmente a liminar havia sido negada, mas diante das urgências que se estabeleceram em decorrência da pandemia da Covid-19,o Sindicato recorreu alegando que esse novo cenário justifica o uso dos produtos plásticos descartáveis por eles serem mais eficientes para conter a proliferação do novo coronavírus.

O desembargador admitiu a inegável mudança de cenário, destacando que o quadro de isolamento social impôs o fechamento de restaurantes, bares e do comércio em geral, acarretando o aumento dos pedidos de comida por sistemas de entrega, para os quais os descartáveis são imprescindíveis para efeito de higienização.

"Como imaginar que pacientes sejam servidos por meio de copos, pratos ou talheres que necessitam ser meticulosamente lavados, quando se está diante de um quadro de pandemia causada por um vírus de contágio facílimo e ainda muito mal compreendido, de letalidade bastante razoável em relação a idosos e que pode muito bem ser agravada pelo uso de talheres mal lavados ou mal higienizados?", declarou referindo-se ao uso dos descartáveis plásticos em hospitais.

 

Inconstitucionalidade

A ação impetrada pelo Sindiplast menciona também a “inconstitucionalidade formal por incompetência do Município de São Paulo para legislar sobre: a) matéria do meio ambiente de interesse nacional e não local; b) sobre matéria de consumo; c) sobre direito econômico, como livre iniciativa e livre concorrência. Teria ainda o artigo 1º da Lei 17.261/2020 violado os artigos 5º e 144 da Constituição Estadual, com afronta ao princípio federativo e da separação dos Poderes da República”.

Caso a proibição seguisse adiante, os descartáveis deveriam não só deixar de ser oferecidos por bares e restaurantes, como também não estariam mais disponíveis no comércio e em supermercados para uso doméstico. A lei entraria em vigor em 1º de janeiro de 2021.

 

 

O site Consultor Jurídico disponibiliza aqui a íntegra da liminar do Tribunal de Justiça.

 

Conteúdo relacionado:

 

Plástico não é tão vilão assim

Para a indústria de plásticos, parar não é uma opção
 

 

Foto: Freepik



Mais Notícias PI



Embalagens para impermeabilizantes agora em versões feitas com PCR

Linha de baldes fabricados com plásticos pós-consumo passou a ser usada para acondicionar produtos da marca Quartzolit.

08/02/2024


Rótulos de PP melhoram a rastreabilidade dos galões de água da Bioleve

Com maior durabilidade e capacidade de suportar mudanças de umidade e temperatura, rótulos plásticos que substituíram os de papel ajudam a preservar as informações presentes nas embalagens de água da marca.

16/01/2024


Embalagens de lubrificantes da Iconic agora têm 40% de resina PCR

Passou de 20% para 40% o volume de plástico reciclado usado na fabricação de bombonas de 20 litros que têm tripla camada. Embalagens de 1 litro fabricadas com 28% de plástico reciclado estão sendo testadas.

10/01/2024