A crescente demanda por polipropileno e seus compostos tem estimulado iniciativas de recuperação do material em vários países, inclusive no Brasil, onde já são características as campanhas engajando pessoas na coleta de tampas plásticas destinadas à reciclagem mecânica. O Tampinha Legal, por exemplo, é hoje o maior programa socioambiental de caráter educativo de iniciativa da indústria de transformação do plástico na América Latina, e divulgou no início deste ano ter alcançado a coleta de cerca de 200 milhões de tampinhas plásticas desde o início do programa, em 2016.

 

Polipropileno reciclado usado na fabricação de tampas

A francesa Total, gigante do setor petroquímico que integra a Aliança pelo Fim do Lixo Plástico (AEPW), percebeu o potencial desse mercado e adquiriu, em 2019, a recicladora Synova, especializada na recuperação de PP para uso em aplicações técnicas pela indústria automobilística. Mais recentemente a empresa anunciou a duplicação da capacidade de produção da Synova, que passou de 20.000 para 40.000 toneladas/ano de material reciclado voltado para aplicações de alto desempenho, que atendem a padrões de qualidade estipulados por OEMs e montadoras de automóveis.

A unidade deve alcançar esses patamares de produção no início de 2021, contribuindo com a meta do grupo, de ter 30% de sua produção de resinas representados pelos polímeros reciclados, um compromisso assumido pela Total ao integrar a AEPW como sócia-fundadora.

Também no final de 2019 a norte-americana Procter & Gamble (P&G), em parceria com a PureCycle, anunciou o desenvolvimento de um processo de reciclagem que tem como produto final o polipropileno reciclado ultra-puro (UPRP, de ultra-pure recycled polipropylene). Ele se baseia na dissolução dos resíduos em um solvente não-tóxico, que permite separar o PP e purificá-lo em estado líquido, mas sem quebrar a sua estrutura, o que requer menos energia do que processos como a pirólise.

 

Grânulos plásticos reciclados no inpEV

 

Diante da meta de redução de 50% o uso de polímeros virgens nas embalagens de seus produtos, a P&G recorreu à Innventure, uma empresa especializada em alavancar negócios voltados para novas tecnologias inovadoras. Esta, por sua vez, cuidou de estabelecer a Pure Cycle como parte integrante da P&G, construindo inicialmente uma instalação em escala-piloto. Mas já iniciou a construção da unidade que vai operar em escala comercial, a partir do ano que vem. Como os resíduos têm origem variada, a empresa estabeleceu uma unidade de avaliação de matéria-prima, visando assegurar a sua qualidade e, consequentemente, a do reciclado. Espera-se que a instalação recicle 54 mil t de PP e produza aproximadamente 45 mil t de UPRP por ano a partir de 2021.

 

 

A alta demanda da P&G por resina é capaz de absorver toda a produção da PureCycle pelos próximos 20 anos. A fabricante de embalagens Aptar, com unidade brasileira em Cajamar (SP), estabeleceu um acordo de cooperação para testar o processamento do UPRP e reportar os resultados à PureCycle, para aprimoramento das suas características.

 

#Crescimentodademandaporpolipropileno #Reciclagemdepolímeros #Plásticos



Mais Notícias PI



Sachês pós-consumo transformados em itens esportivos

Projeto que integra a Boomera e a marca Nescau resultou na reciclagem de resina pós-consumo, proveniente de embalagens flexíveis, em itens esportivos, os quais foram doados a organização beneficente.

14/01/2022


Empresa supera sua meta de uso de material reciclado

A SC Johnson superou sua meta de uso de 15% de plástico reciclado em suas embalagens quatro anos antes do previsto e, agora, quase dobra a aposta para usar 25% até 2025.

12/01/2022


Alta da produção de resinas recicladas nos últimos anos

Mais de um milhão de toneladas de resinas recicladas foram produzidas em 2020 no Brasil, de acordo com levantamento da MaxiQuim. Também foi percebido aumento do consumo de resíduos plásticos entre 2019 e 2020.

07/12/2021