Pesquisadores do Instituto de Química de São Carlos (IQSC) da USP desenvolveram um material plástico, a partir de CO2, capaz de proteger implantes médicos e odontológicos da contaminação por microrganismos como bactérias e fungos, evitando eventuais infecções que possam complicar o estado de saúde de pacientes.

 

O biomaterial desenvolvido pela equipe, poli(hidroxiuretano) (PHU) ou ainda poliuretano livre de isocianato (do inglês, non-isocyanate polyurethanes, NIPU), utiliza gás carbônico (CO2) como matéria-prima para sua produção. “A vantagem desse material, em relação aos já utilizados, é a sustentabilidade associada ao seu processo de obtenção e também sua elevada atividade antimicrobiana, sendo efetivo até mesmo contra alguns microrganismos resistentes a antibióticos”, explicou o autor da pesquisa de doutorado, Elton de Souza Lima.

 

Para Kelen M. Flores de Aguiar, ex-doutoranda do IQSC e uma das autoras do artigo publicado, para sua produção seria possível captar o CO2 diretamente de indústrias, que muitas vezes lançam o gás na atmosfera durante seus processos fabris. Futuramente, outra possibilidade seria utilizar a tecnologia de Captura Direta do Ar (DAC, do inglês Direct Air Capture) para sequestrar o gás direto da atmosfera.

 

De acordo com o instituto, atualmente a família de PHUs possui uma série de aplicações, podendo ser empregada na construção civil, indústria de sapatos, automóveis, mobiliário, têxtil, dispositivos biomédicos, adesivos, espumas, entre outros. O protótipo desenvolvido durante a pesquisa da USP, além de utilizar o CO2 como matéria-prima, possui em sua composição silicato, ácido fosfórico e silicone. Este último componente é um dos diferenciais da tecnologia.

 

Segundo Ubirajara Pereira Rodrigues Filho, professor do IQSC e um dos autores do trabalho, “fomos os primeiros a preparar hidroxiuretanos com segmentos siliconados e mostrar a sua aplicabilidade em revestimentos. O benefício do uso do silicone é que ele permite que o material seja mais flexível e resistente a umidade, água e a meios agressivos, como em soluções com ácido sulfúrico e soda cáustica”. O docente afirma ainda que a nova tecnologia pode ser utilizada como revestimento anticorrosão em placas de aço e ligas de titânio, que normalmente são utilizadas em implantes evitando, assim, o desgaste do material. Há também a possibilidade de atuar como cola para unir camadas de vidro em janelas, por exemplo. A expectativa é de que o produto esteja no mercado em até dois anos.

 

Em testes realizados em universidades parceiras o material mostrou, além de ser hidrofóbico, alta eficácia contra microrganismos e na segurança de sua aplicação, comprovando que se trata de um produto não tóxico quando aplicado em fibroblastos (as principais células envolvidas na cicatrização e responsáveis pela manutenção da integridade da pele). Quando sujeito a ensaios para analisar a atividade antimicrobiana do material – exposto a organismos capazes de causar desde pequenas intoxicações até pneumonia e meningite –, os resultados comprovaram a eliminação de 95 a 100% dos patógenos.

 

Os pesquisadores reiteraram que a nova tecnologia é bastante promissora, uma vez que os primeiros resultados apontam para um material com processo de obtenção sustentável e com potencial para ajudar no desafio de evitar infecções microbianas. O estudo continuará para determinação da biocompatibilidade do material por meio de uma colaboração entre o IQSC, Unicamp e o Instituto Fraunhofer de Materiais Avançados (IFAM).

 

(Fotos: Henrique Fontes, Assessoria de Comunicação do IQSC/USP)

 

#plastico #phu #usp #iqsc #polihidroxiuretano #co2comomateriaprima



Mais Notícias PI



Bioplástico para aplicação sob alta temperatura em motores

Instituto pesquisa como aplicar bioplástico como substituto aos materiais de origem fóssil em peças para compartimento do motor que são submetidas a altas temperaturas.

21/09/2021


Escadas em EPS, uma construção rápida e limpa

Sistema modular de construção de escadas oferece suporte estrutural e garantia de obras mais limpas, com componentes mais leves.

16/09/2021


Empresa lança grades para automóveis com até 29% de material reciclado

Grades de PP e PC/PET, todos com conteúdo reciclado, são voltados especificamente a aplicações na indústria automobilística.

08/09/2021