A Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii) e a Planar – empresa de consultoria internacional especializada em grafeno e materiais avançados 2D – firmaram um acordo para criar uma rede de inovação entre as Unidades Embrapii voltadas para o fomento de pesquisa e desenvolvimento (P&D) com o grafeno, com o propósito de elevar o nível de maturidade tecnológica relativo ao uso desse material para o desenvolvimento de novas aplicações comerciais.

 

Como já mencionado por Plástico Industrial na matéria “Grafeno em larga escala: um novo ativo para o desenvolvimento da indústria”, publicada em maio de 2020, o grafeno é considerado o material do futuro e é hoje um insumo praticamente consolidado e disponível para testes em diferentes aplicações, sobretudo no desenvolvimento de compósitos poliméricos, que podem adquirir um pouco das suas excepcionais propriedades térmicas, mecânicas e elétricas a partir da adição de pequenas frações. Embora envolva tecnologia avançada, a sua obtenção não é mais um segredo, a sua popularização está se tornando uma realidade.

 

A assinatura do acordo, que ocorreu na última quarta-feira (14) via live no YouTube, contou com a presença do Prêmio Nobel de Física pelo isolamento do material Konstantin Novoselov, e do secretário de empreendedorismo e inovação do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI), Paulo Alvim. O vídeo pode ser assistido na íntegra a seguir:

 

 

Segundo Carlos Eduardo Pereira, diretor de operações da Embrapii, “o grafeno terá um grande impacto na indústria, capaz de transformar modelos de negócio, padrões de concorrência e estruturas de mercado. Com a parceria, pretendemos promover a colaboração recíproca, agregar conhecimento e promover a inovação com o uso do material em nossas unidades. Assim, poderemos atender a um amplo espectro de setores industriais potencialmente beneficiados pela exploração de tecnologia, tornando nossa indústria mais forte e competitiva”.

 

Além das conhecidas vantagens de leveza, condução térmica e elétrica, baixa espessura e alto índice de desempenho mecânico (mais forte que o aço), somam-se à lista de características a flexibilidade, impermeabilidade e transparência do material. Para Ricardo Schaefer, CEO da Planar, a combinação de tais propriedades torna o grafeno uma opção tecnológica com potencial de impacto positivo em dezenas de setores industriais.

 

Ainda segundo Schaefer, a parceria com a Embrapii significa poder elevar o nível de maturidade tecnológica relativo ao uso do grafeno por meio de projetos cooperativos de P&D que busquem identificar e criar rotas para o desenvolvimento de novas aplicações comerciais. O Brasil é um dos países com maior reserva de grafite, fonte do grafeno, ao lado da China e do Canadá.

 

(Foto: Pixabay)

#grafeno #rededeinovacao #compositopolimerico

 

Conteúdo relacionado:

Grafeno em larga escala: um novo ativo para o desenvolvimento da indústria

Máscaras ultrafinas de grafeno estão em desenvolvimento no Brasil



Mais Notícias PI



Certificação de “circularidade” para filmes plásticos

Produtora de filmes para alimentos recebeu avaliação A pela Circulytics, da Fundação de Ellen MacArthur, uma ferramenta de medição do desempenho de empresas com relação à atuação em conformidade com princípios de economia circular.

23/10/2020


Estudo analisa o impacto da Covid-19 sobre o balanço das empresas

Levantamento realizado pelo Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (Iedi) junto a 240 empresas de capital aberto mostra as consequências da pandemia de Covid-19 sobre o seu desempenho e recuperação da rentabilidade.

20/10/2020


Sensores sem bateria, a transição sustentável para a fábrica do futuro

Prevendo o aumento exponencial de dispositivos industriais de internet das coisas (IoT), empresa desenvolve sensores que funcionam ininterruptamente e sem baterias.

20/10/2020