A produtora de aços Gerdau anunciou o lançamento de uma nova empresa do grupo dedicada à pesquisa, desenvolvimento e comercialização de produtos com o uso do grafeno, incluindo revestimentos anticorrosão para produtos metálicos.

A nova companhia terá operação independente das divisões de negócios voltadas para a produção de aços, e atuará no desenvolvimento de mercado para o grafeno em escala, tanto no Brasil como em nível global.


 

Com escritório principal em São Paulo e uma filial nos Estados Unidos, a nova unidade deverá oferecer tecnologia para os setores da construção civil, lubrificantes industriais e automotivos, borracha, termoplásticos, tintas e sensores.

Para acelerar o desenvolvimento de novas aplicações, a nova companhia vai colocar em operação ainda este ano um laboratório próprio, que dará apoio, por exemplo, ao estudo de aplicações como revestimentos que tornam os aços mais resistentes à corrosão e intempéries.

Nascida por meio de uma cooperação com a Universidade de Manchester, a Gerdau Graphene faz parte do portfólio de empresas da Gerdau Next, divisão lançada no segundo semestre de 2020, que tem o objetivo de empreender em novos segmentos, além do aço, com participação relevante nas receitas do grupo.

“A Gerdau Graphene entra no mercado de forma singular por sua aposta em tornar a produção do material viável comercialmente e em larga escala. Estamos chegando ao mercado com o diferencial de sermos parte de um grupo sólido e de forte credibilidade internacional, mas com a filosofia embarcada de open innovation, em colaboração com múltiplos ecossistemas. Vamos comercializar tanto o produto quanto o serviço e know-how em grafeno e, para isso, contamos com alianças estratégicas com parceiros globais e nacionais. Temos como primeiro cliente a própria Gerdau e suas usinas de aço, que permitem a criação e testes de novos produtos e soluções com velocidade e intimidade de aplicação”, explicou Alexandre de Toledo Corrêa, diretor geral da Gerdau Graphene.

Nessa primeira etapa, a empresa se concentrará nos mercados da construção civil, lubrificantes industriais e automotivos, borracha, termoplásticos, tintas, baterias e sensores.

Pesquisa e parcerias

A Gerdau pesquisa grafeno há cerca de quatro anos, e em 2019 firmou uma parceria com o Centro de Inovação de Engenharia de Grafeno (GEIC, na sigla em inglês) da Universidade de Manchester, no Reino Unido, entrando para o seleto grupo global de empresas com cadeiras exclusivas na instituição para o desenvolvimento de pesquisa com o material.

Para iniciar uma unidade de negócio com um bom posicionamento estratégico, foram feitas parcerias estratégicas com grandes desenvolvedores de grafeno, em cooperação com centros de pesquisa brasileiros, como o UCSGraphene (Caxias do Sul, RS), o MacGraphe, da Universidade Presbiteriana Mackenzie e o CTNano, da Universidade Federal de Minas Gerais. Também já estão firmadas parcerias estratégicas no setor automotivo com Baterias Moura e SKF do Brasil para desenvolvimento de aplicações em armazenagem de energia, artefatos de borracha, compósitos e tintas.

Para saber mais sobre o grafeno e suas aplicações, assista aqui ao webinar promovido pela revista Plástico Industrial sobre o tema, com a participação de pesquisadores brasileiros que são referências mundiais na pesquisa com o material.

Foto: Gerdau Graphene

(Fonte: https://www.arandanet.com.br/revista/ccm/noticia/2047-Nova-unidade-da-Gerdau-e-dedicada-ao-grafeno.html)

 

Conteúdo relacionado:

Grafeno, um material à espera de parcerias

Acordo traça estratégia para indústria de grafeno no Brasil

Grafeno em larga escala: um novo ativo para o desenvolvimento da indústria


 

#GerdauGraphene   #grafeno #graphene #materia-prima

 

Conteúdo relacionado:

Grafeno, um material à espera de parcerias

Acordo traça estratégia para indústria de grafeno no Brasil

Grafeno em larga escala: um novo ativo para o desenvolvimento da indústria


 

#GerdauGraphene   #grafeno



Mais Notícias MM



Retificação de médias e grandes séries de peças

Nova linha de retificadoras comporta rebolos de até 610 mm de diâmetro e tem a aplicação de fluído refrigerante modulada conforme o tipo de operação a ser realizada.

24/06/2022


Estudo prevê bom desempenho para o mercado de manufatura inteligente

Tecnologias habilitadoras e crescimento por regiões são temas do estudo de 320 páginas que projeta forte crescimento para o mercado de fabricação inteligente.

09/06/2022


Análise e troca automática de pastilhas de corte

Sistema digital desenvolvido pelo Instituto Fraunhofer IPK monitora a condição das ferramentas e realiza a sua troca de forma automática.

06/06/2022