Para reduzir paradas não programadas na linha de montagem do carro elétrico Chevy Bolt, a montadora GM está lançando mão de uma solução criativa: o uso da impressora F900, da empresa Stratasys, para a confecção de ferramentas chamadas risers, responsáveis por dar apoio e posicionar as peças no palete de transporte aéreo. 

Tal mudança foi necessária em razão dos problemas causados pelo peso do aço, material anteriormente usado para a fabricação destas peças, como eventuais pausas no equipamento de automação. A matéria-prima escolhida para a impressão 3D foi a fibra de carbono FDM Nylon 12CF, 72% mais leve do que o modelo anterior, mas que oferece rigidez e resistência.

Outra vantagem do novo processo foi a economia de tempo na produção das ferramentas, que passaram a ser criadas em apenas 15 dias, contra nove semanas nas vezes em que o aço era utilizado. Para completar, os custos de construção e pós-usinagem foram reduzidos, bem como a frequência de manutenção periódica.



Mais Notícias MM



Manufatura aditiva: nova aquisição movimenta o mercado internacional

Empresa americana Desktop Metal é a nova proprietária da italiana Aidro, empresa inovadora no ramo de impressão 3D

14/09/2021


Tecnologia: impressora 3D com IA e algoritmos para aprendizado de máquinas

Lançada pela Breton, o modelo Genesis combina métodos aditivos e substrativos de produção com materiais termoplásticos em larga escala

31/08/2021


Aplicação: máquina de serra é capaz de separar titânio impresso em 3D

Novidades da alemã Behringer, os modelos HBE320-523 3D e LPS-T. da série 3D realizam corte em componentes feitos por manufatura aditiva

31/08/2021