Após três anos de trabalhos de desenvolvimento, engenharia e construção, a planta entrou em operação na unidade Verbund da BASF em Ludwigshafen, Alemanha. Em março de 2021, as três empresas assinaram um acordo conjunto para desenvolver e demonstrar soluções para fornos de craqueamento a vapor aquecidos eletricamente.

 

Os crackers a vapor desempenham um papel central na produção de químicos básicos e requerem uma quantidade significativa de energia para decompor hidrocarbonetos em olefinas e aromáticos. Tipicamente, a reação é conduzida em fornos a temperaturas de cerca de 850ºC. Até agora, essas temperaturas só eram alcançadas com a utilização de fornos a combustíveis convencionais.

 

A planta de demonstração pretende mostrar que a produção contínua de olefinas é possível utilizando eletricidade como fonte de calor. Ao utilizar eletricidade proveniente de fontes renováveis, a tecnologia tem ainda o potencial de reduzir em 90% as emissões de CO2 de um dos processos de produção com maior consumo de energia na indústria química, em comparação com as tecnologias habitualmente utilizadas.

 

A planta de demonstração produz olefinas como etileno, propileno e possivelmente também olefinas superiores a partir de matérias-primas de hidrocarbonetos saturados, e está totalmente integrada nos crackers a vapor existentes em Ludwigshafen. A próxima operação tem como objetivo reunir dados e experiências sobre o comportamento de materiais e processos em condições operacionais comerciais para o desenvolvimento final desta tecnologia inovadora até a maturidade do mercado industrial.

 

Em dois fornos de demonstração separados, serão testados dois conceitos de aquecimento diferentes. Enquanto num forno, o aquecimento direto aplica uma corrente elétrica diretamente às bobinas de craqueamento, no segundo forno, o aquecimento indireto utiliza o calor irradiado por elementos de aquecimento colocados ao redor das bobinas. Os dois fornos aquecidos eletricamente processam juntos cerca de 4 toneladas de hidrocarbonetos por hora e consomem 6 megawatts de energia renovável.

 

Para apoiar o desenvolvimento da nova tecnologia de fornos, o projeto recebeu 14,8 milhões de euros do Ministério Federal Alemão para Assuntos Económicos e Ação Climática no âmbito do seu programa de financiamento “Descarbonização na Indústria”.

 

Com base no conhecimento combinado e na propriedade intelectual das três partes que colaboram no desenvolvimento das novas tecnologias, a unidade de demonstração em Ludwigshafen será operada pela BASF. A Linde foi responsável pela engenharia, aquisição e construção da fábrica. No futuro, a Linde comercializará as tecnologias desenvolvidas sob a nova marca registrada STARBRIDGE™, permitindo à indústria petroquímica descarbonizar, substituindo as tecnologias convencionais de combustão.

 

 

Imagem: SABIC

 

 

 

 

Leia também:

 

Cenário global para a petroquímica, uma visão até 2030 – Parte II.

 

Mercado de estirênicos deve crescer 6,5% ao ano até 2032

 

 



Mais Notícias PI



Relatório aborda os desafios do mercado de resinas

Novo relatório mensal da Ohxide sobre o mercado de resinas avalia o impacto da tragédia climática do Rio Grande do Sul sobre a oferta e os preços dos petroquímicos.

11/06/2024


Os impactos da situação no Rio Grande do Sul na cadeia do plástico

Produção e operações logísticas da cadeia do plástico sofrem profundas alterações diante da catástrofe climática que atinge o Rio Grande do Sul.

14/05/2024


Cenário global para a petroquímica, uma visão até 2030 – Parte II.

Questões geopolíticas e eletrificação dos transportes são alguns dos fatores que prometem alterar os rumos da indústria petroquímica nos próximos anos, com reflexos sobre o setor de transformados plásticos.

26/03/2024