De todos os deveres que o setor produtivo tem enfrentado, a agenda ESG (do inglês Environmental, Social and Governance) pode ser das mais desafiadoras, mas também a que dará a maior sensação de dever cumprido a quem conseguir levar a cabo verdadeiros princípios de atuação responsável nos quesitos ambiental, social e de governança.


 

No microcosmo da indústria de plásticos, essa agenda é um ponto nevrálgico, pois o setor está no epicentro das críticas relacionadas a danos ambientais de proporções gigantescas, a exemplo das ilhas de plásticos localizadas em diferentes pontos do oceano, do surgimento dos microplásticos e tantos outros acontecimentos que repercutem na opinião pública e na escolha dos consumidores finais.


 

Causar um impacto positivo no meio ambiente e na sociedade, conforme os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável pela Organização das Nações Unidas, do qual derivam as recomendações hoje conhecidas como ESG significa, em poucas palavras, agir de acordo com princípios éticos e de forma responsável, algo que boa parte da cadeia produtiva dos plásticos tem buscado ao se engajar no reaproveitamento de materiais e no uso de resinas de fonte renovável.


 

Essas atividades se tornam ainda mais representativas quando apoiadas em bases econômicas, permitindo o surgimento de novos negócios capazes de tratar como oportunidade o necessário acerto de contas entre o ambiente produtivo e o meio ambiente , fomentando também o desenvolvimento social. É o que mostra a matéria especial sobre sustentabilidade, publicada na edição de janeiro/fevereiro, a partir da página 14. Trata-se, na verdade, de uma atualização sobre o tema, tendo em vista que ele foi abordado de forma mais abrangente na edição de maio de 2021, disponível aqui.


 

Analisamos aqui como a reciclagem e os bioplásticos estão à frente das ações da indústria do plástico rumo a uma possível economia de carbono neutro. E como isso envolve também o uso eficiente da energia nas plantas industriais, um artigo sobre o assunto complementa a edição ao tratar da racionalização do uso da energia em injetoras operando sob carga parcial. Notamos assim que, aos poucos, o setor se estrutura para os desafios da atualidade, e é bom podermos presenciar esta evolução.


Hellen C. O. Souza

hellen.souza@arandaeditora.com.br
 



Mais Notícias PI



Gestão da eficiência energética na intralogística do chão de fábrica

Sistema digital calcula o consumo de energia de empilhadeiras elétricas usadas para movimentar moldes e big bags.

30/06/2022


Inscrições abertas para graduação gratuita na área de plásticos

Curso de nível superior sobre desenvolvimento de produtos plásticos terá inscrições até julho.

30/06/2022


Alimentador para extrusoras tem nova versão

Equipamento pode aumentar o rendimento da reciclagem de grânulos plásticos com densidade inferior a 200 kg/m³.

28/06/2022