Naturalmente isolantes, os materiais plásticos são usados também em funções nas quais é mais desejável que eles aditivados para se tornarem condutores de eletricidade. Descargas eletrostáticas não controladas, se acumuladas, podem levar à ignição e explosão de atmosferas inflamáveis, ou ainda, a problemas operacionais nos processos de fabricação e manuseio de materiais, além de choques eletrostáticos em pessoas ou mau funcionamento e quebra de componentes e equipamentos eletrônicos.

Plásticos condutores em automóveis

Já os plásticos condutores, quando aterrados, possuem potencial de ignição zero, e por isso são o material mais indicado para aplicações nos ambientes em que devam ser eliminados os riscos relacionados à eletricidade estática, tais como a indústria automotiva, embalagens para eletrônicos ou no ambiente da mineração. São estes os principais segmentos usuários dos compostos condutores Pre-Elec, desenvolvidos pela finlandesa Premix e baseados em PP, PE, PS, ABS, PC, PC/ABS, PA, PBT, TPU e TPE, que estão sendo comercializados no mercado brasileiro pela Princeton-Lemitar (São Paulo, SP).

 

AssociandoPlásticos condutores em tubulações a facilidade de moldagem dos materiais plásticos à condutividade elétrica que é típica dos materiais metálicos, os compostos têm sido usados na indústria automotiva para a fabricação de tubos condutores de combustível, por serem leves, fáceis de processar e seguros em termos de ignição por vapor. Conforme informado por Daniel Amaral Souza, gestor de desenvolvimento da Princeton, ele atualmente é usado também na fabricação de tubos e mangueiras para uso em sistemas de iluminação em minas de cobre, no Chile, por garantir a segurança ocupacional em ambientes em que há acúmulo de partículas no ar.

 

Nas embalagens para eletrônicos, os materiais plásticos condutivos e dissipadores de eletricidade estática protegem os componentes contra descargas eletrostáticas não controladas, reduzindo a incidência de falhas ocultas e garantindo maior vida útil para dispositivos eletrônicos.

 

Conteúdo relacionado:

Uso de termoplásticos na moldagem de componentes para luminárias LED

 

 

#plásticoscondutores

 



Mais Notícias PI



Investimentos em plásticos para a área médica

Grupo alemão amplia instalações e volta suas atenções para a fabricação de embalagens e demais produtos voltados para as áreas médica, farmacêutica e hospitalar.

09/10/2020


Novo filme antiviral para proteção de superfícies

Empresas brasileiras desenvolveram um filme plástico composto por polipropileno, micropartículas de prata e sílica. A formulação é capaz de inibir a ação de microrganismos.

01/10/2020


Nanocomposto antiviral para embalagens de EPS

Empresa brasileira desenvolveu um material nanocomposto que confere propriedades virucidas e antibacterianas às embalagens de poliestireno expandido de sua linha.

22/09/2020