As cores inspiradas pela natureza também serão muito procuradas em 2021. Elas proporcionam uma aparência mais
sustentável aos produtos (foto: Milliken)

 

A aparência é frequentemente a primeira impressão que se tem de um produto. A impressão visual muitas vezes influencia a decisão de compra antes mesmo das informações técnicas ou do conteúdo de uma embalagem. Portanto, a seleção de cores adequadas é de grande importância.

As cores enviam sinais, inspiram sentimentos, criam emoções e despertam memórias. Também são utilizadas para fins de criação de marca, associando o nome de um produto ou de uma empresa a uma cor específica. Portanto, é importante para as empresas encontrar a seleção correta de cores para seus produtos.

Como outros materiais, corantes e pigmentos também estão sujeitos a tendências, as cores frequentemente acompanham a evolução social e atendem às necessidades dos consumidores. O crescente desejo por maior proteção ambiental nos últimos anos tem se refletido, por exemplo, no aumento do uso da cor verde em embalagens e produtos, pois está associado a um estilo de vida mais sustentável.

Assim, fabricantes de pigmentos, masterbatches e corantes foram sondados sobre quais serão as tendências de cores para o próximo ano. Também foi investigado o impacto que a crise do coronavírus está exercendo sobre a seleção de cores e como o desejo de um uso mais sustentável dos plásticos e o aumento da reciclagem estão influenciando o desenvolvimento de produtos dos fabricantes.

A tendência já mencionada sobre cores associadas à natureza e a um ambiente saudável continuará no próximo ano. Os fabricantes concordam com essa afirmação. Diferentes tonalidades de verde e azul, em particular, continuarão a ser solicitadas. Isto se deve ao fato de a proteção ambiental ainda estar muito em evidência. Para Dietmar Mäder, diretor global de marketing e serviço técnico de plásticos da Eckart GmbH, com sede em Hartenstein, Alemanha, a atual crise do coronavírus também está reforçando esta tendência. Uma vez que atualmente muitas pessoas estão passando muito tempo em casa devido à Covid-19, a natureza está se tornando mais importante. Isto afeta a seleção de cores. Vê-se mais e mais tons de verde e azul, como se fossem tons de musgo lembrando um passeio pela floresta, azul claro inspirado pelo céu e azul escuro inspirado pelo mar.


Fig. 1 – O brilho metálico proporciona uma aparência nobre.
O desejo dos consumidores por produtos de alta qualidade está crescendo, inclusive devido à crise do coronavírus (foto: Eckart)

 

A tensa situação global, não só devido à Covid-19, mas também devido aos numerosos conflitos, tais como a disputa comercial entre os EUA e a China e as relações não resolvidas entre a União Europeia e a Grã-Bretanha, estão causando incerteza generalizada entre os consumidores. É por isso que, de acordo com os fabricantes, cores que representam confiabilidade e estrutura e, ao mesmo tempo, irradiam calor, simpatia e humanidade tornaram-se populares. Judith van Vliet, designer senior de cores da Clariant ColorWorks EMEA, acredita que as cores quentes, como laranja e amarelo, desempenharão papel importante em 2021. Os problemas mundiais criaram uma paleta de cores que, por um lado, inspira durabilidade e autenticidade e, por outro lado, melhora a atmosfera. De acordo com Lydie Tuchbreiter, gerente industrial e comercial da BASF Colors & Effects para a América do Norte, a difícil situação global fará com que o azul esteja em grande demanda no futuro, como a cor do céu e do mar. O azul é frequentemente descrito como uma cor equilibrada, relaxante e autêntica. É uma cor popular para artigos domésticos e decorativos, roupas ou equipamentos esportivos, especialmente em tempos conturbados de crise.

Mäder aborda outro aspecto interessante: ao contrário da suposição comum de que, em tempos incertos, os consumidores comprariam principalmente artigos baratos para economizar dinheiro, ele vê uma tendência bastante oposta devido à crise do coronavírus: a aquisição de produtos de alta qualidade para elevar o moral. Como o noticiário atual impõe uma carga emocional aos consumidores, eles querem produtos que expressem valor. Isto exige cores brilhantes e claras que tenham uma aura nobre. Este tipo de valor pode ser alcançado de forma particularmente efetiva adotando-se cores com brilho metálico, como tons quentes de cobre ou prata. Portanto, elas serão muito populares em 2021.

Porém, independentemente da situação econômica e política atual, há uma tendência geral que favorece artigos com aparência de alta qualidade. Isto se aplica tanto à embalagem quanto aos próprios produtos. Os consumidores estão prontos para gastar mais dinheiro em artigos de alta qualidade e duráveis. Como resultado disso, provavelmente a produção das embalagens e produtos apresentará maiores custos, o que também permitirá o uso de pigmentos e corantes mais caros.


Fig. 2 – Como o negro de fumo continua a causar grandes problemas na reciclagem de plásticos, muitos fabricantes de corantes oferecem agora pigmentos como alternativa à coloração de plásticos de cor negra (foto: Clariant)
 

Outros fabricantes de corantes também confirmam a demanda por produtos mais duráveis. Isso é o resultado do desejo de muitos consumidores de se afastarem dos produtos descartáveis e procurarem produtos plásticos mais sustentáveis. No entanto, isto cria algumas dificuldades para os fabricantes. Se os produtos forem utilizados durante períodos de tempo mais longos, também será necessário garantir que a aparência atraente tenha duração prolongada. Portanto, a estabilidade cromática dos corantes utilizados será da maior importância. Isto requer que os pigmentos e corantes sejam, por exemplo, altamente resistentes à luz e às intempéries.

Philippe Lazerme, chefe de marketing da unidade de negócios de pigmentos da Clariant Colorants International, esclarece que o prolongamento da vida útil dos bens de consumo plásticos constitui uma contribuição importante para a sustentabilidade. Além das propriedades técnicas do produto, também a aparência desempenha um papel importante. A Clariant, dentro desse objetivo, oferece pigmentos com alta luminosidade e resistência às intempéries dentro de sua linha PV Fast Pigment. Dessa forma o artigo permanece atraente por mais tempo. Também não se deve desprezar o efeito de proteção à luz proporcionado pelos pigmentos.
 

A boa aparência não é suficiente

Este último ponto permite abordar um benefício adicional que os pigmentos e corantes podem oferecer em termos de durabilidade dos produtos plásticos. Vários polímeros se degradam sob influência da luz, como a radiação ultravioleta. Este processo de degradação pode ser evitado, por exemplo, utilizando-se pigmentos especiais que absorvem a radiação ultravioleta. Tais propriedades adicionais podem se tornar ainda mais relevantes no futuro. Para Sami Palanisami, gerente de marketing global e de corantes plásticos da Milliken Europe, ainda há dúvidas se, no interesse de maior sustentabilidade, a coloração dos plásticos continuará se baseando puramente em considerações estéticas, ou se os corantes utilizados também devem oferecer benefícios adicionais para os produtos ou componentes. Há aplicações em que os corantes são usados exclusivamente para melhorar a aparência dos plásticos. No futuro isto poderia ser questionado do ponto de vista da sustentabilidade.


Alternativas para o negro de fumo

Há um amplo consenso entre os transformadores: plásticos de cor negra, especialmente aqueles coloridos com negro de fumo, continuam a representar um grande problema para a reciclagem. Para reciclar os plásticos de forma adequada, os resíduos devem ser separados de acordo com o material que os constitui. Para isso, a maioria das instalações de classificação utiliza sensores baseados em radiação infravermelha próxima (NIR, near infrared). No entanto, a fuligem absorve a radiação infravermelha próxima, razão pela qual os plásticos coloridos com negro de fumo não podem ser detectados e identificados pelos sistemas de triagem. Muitos fabricantes desenvolveram produtos para substituir o negro de fumo e, dessa forma, melhorar a reciclabilidade dos plásticos de cor negra. Por exemplo, a BASF criou o pigmento preto Sicopal Black K 0098 FK, enquanto a Clariant introduziu três pigmentos: Graphtol Black CLN, Solvaperm Black PCR e Polysynthren Black H.

O tom cinza ou marrom frequentemente existente nos plásticos reciclados e coloridos é encarado como um problema adicional. Os transformadores de resina devem levar esse fato em conta na coloração de seus produtos. Portanto, ao se utilizar resinas recicladas, muitas vezes não é possível utilizar a mesma formulação para coloração que é adotada para o material virgem. Além disso, o tom básico das resinas recicladas sofre oscilações entre os diferentes lotes. Torna-se necessário adaptar as formulações coloridas ao material reciclado disponível para se obter coloração uniforme a longo prazo nos produtos. Ferramentas em software que calculam a influência da cor básica dos reciclados sobre a coloração final podem auxiliar nessa tarefa. Dessa forma é possível separar o material inadequado ou calcular a correção necessária na formulação para coloração.


Mais Artigos PI



A indústria automobilística como usuária de plásticos reciclados certificados

A maneira mais rápida de a indústria automotiva fomentar a reciclagem de resíduos plásticos e a utilização regular deles é exigindo de seus fornecedores a adoção de plástico reciclado certificado para determinados projetos. E isso já é possível se for considerada a certificação dos materiais reciclados pelo selo Senaplas.

08/04/2021


Aplicação de plasma em moldes pode simplificar a fabricação de peças plásticas

O aumento da demanda por funcionalidade dos componentes e a necessidade de um método eficiente de manufatura são alguns dos fatores que mantêm a moldagem por injeção com múltiplos componentes no radar dos transformadores de plásticos. O processo apresentado neste artigo, chamado InMould-Plasma, proporciona mais eficiência à injeção de peças e abre espaço para o uso de novas combinações de materiais.

30/03/2021


Polipropileno, um material em transição

Inicialmente classificado como um material plástico do tipo commodity, tendo em vista a sua produção em larga escala, o polipropileno (PP) tem sido alçado gradativamente à categoria de material de engenharia, à medida que surgem novos tipos com diferentes funcionalidades e avançam as possibilidades de aditivação, melhorando suas propriedades de desempenho.

30/03/2021