Por Helen Blomqvist*

 

 

Apesar de 2023 ter sido um ano desafiador para os fabricantes, a produção mundial da indústria de manufatura deverá atingir uma taxa de crescimento anual composta de 3% entre hoje e 2027, de acordo com a empresa de análise de tecnologia Interact Analysis.

 

Da digitalização e previsão de demanda à incerteza econômica e metas de emissões, 2023 apresentou vários desafios para o setor de manufatura. No entanto, essas dificuldades também oferecem oportunidades para que os fabricantes inovem e aumentem sua competitividade à medida que o setor se transforma.

 

Este artigo trata de como os fabricantes podem adotar as tendências atuais do setor para enfrentar os desafios e permanecer resilientes em 2024 e nos anos seguintes.

 

 

Foco reforçado na sustentabilidade

 

O foco na redução do impacto ambiental se intensificou em 2023. Dados do Institute for Business Value da IBM mostraram que 86% das empresas já têm uma estratégia de sustentabilidade implantada. Embora esse número seja promissor, os dados mostram que apenas cerca de um terço das empresas agiu de acordo com sua estratégia desde a sua implementação.

 

Espera-se que em 2024 as empresas passem a tratar a sustentabilidade como uma prioridade. Isso é especialmente importante no setor de manufatura, responsável por um quinto das emissões globais de carbono, de acordo com dados do Fórum Econômico Mundial. Atualmente, o setor não é sustentável o suficiente, mas podemos fazer muito mais.

 

Garantir que a sustentabilidade não seja apenas uma ambição estratégica, mas também uma parte tangível e integrada às operações diárias, é fundamental para reduzir as emissões e atingir as metas ecológicas. Ao combinar o alinhamento estratégico, o envolvimento dos funcionários e as melhorias contínuas baseadas em dados, os fabricantes podem não apenas atingir as metas ambientais e sociais, mas também impulsionar a inovação, reduzir os custos e melhorar a reputação e a competitividade da empresa.

 

Essa abordagem multifacetada é delineada pela nova promessa de marca da Sandvik Coromant, Manufacturing Wellness, que visa impulsionar o progresso sustentável por meio de parcerias impactantes. Manufacturing Wellness consiste em uma busca incessante por melhorias e inclui oito hábitos encontrados em empresas de manufatura bem-sucedidas e resilientes. A sustentabilidade e a eliminação do desperdício são, respectivamente, o terceiro e o quarto hábitos dessa mentalidade, o que nos permite impulsionar o progresso sustentável em direção a um futuro melhor para as pessoas, o setor e a sociedade em geral.

 

Esse compromisso é ressaltado pela recente validação de nossa meta de zero líquido pela iniciativa Science Based Targets (SBTi). Como a demanda por produtos sustentáveis continua a crescer, as certificações serão cada vez mais importantes para os fabricantes que buscam se manter competitivos em um mercado em transição.

 

 

Desenvolvimento de recursos digitais para atender à demanda

 

Em 2023 os fabricantes sentiram as consequências de vários problemas da cadeia de suprimentos. Isso afetou especialmente o setor de manufatura aeroespacial, que ainda estava em modo de recuperação após a pandemia de Covid-19.

 

No entanto, com a retomada da demanda, houve um reavivamento da necessidade das companhias aéreas de expandir ou renovar suas frotas devido ao ressurgimento de viagens de passageiros, visando atender às novas normas ambientais com aeronaves mais eficientes em termos de combustível. O crescimento do setor em 2024, provavelmente, dependerá de como os fabricantes e o ecossistema mais amplo poderão se adaptar a esses desafios e oportunidades em evolução.

 

Os fabricantes do setor aeroespacial podem aumentar sua produtividade concentrando-se em resiliência, inovação, agilidade e sustentabilidade. Uma maneira fundamental de conseguir isso, especialmente para aqueles envolvidos em processos de usinagem, é integrar ferramentas de manufatura digital para aumentar a eficiência operacional.

 

Um estudo de 2021 sobre empresas de manufatura realizado em nome da Sandvik mostra que mais de dois terços dos fabricantes já implementaram essas ferramentas. Os casos de uso incluem áreas como gêmeos digitais (Digital Twins), integração de controle numérico computadorizado (CNC), sistemas de monitoramento de processos e computação em nuvem.

 

As ferramentas digitais apoiam a manufatura baseada em dados, que é o quinto dos hábitos no que se refere ao Manufacturing Wellness. Isso ajuda as empresas a identificar possíveis melhorias e acelerar a produtividade desde o uso de CAD até a entrega. Os processos informados por dados podem ajudar a melhorar o tempo de atividade do equipamento e prolongar a vida útil, permitindo que os fabricantes identifiquem possíveis falhas antes que elas ocorram.

 

À medida que 2024 avança, é provável que vejamos o aumento da adoção de ferramentas de inteligência artificial (IA) para a análise de dados, bem como de automação para atender à demanda renovada e, ao mesmo tempo, reduzir custos. A incorporação de ferramentas de IA é uma parte essencial da mentalidade ligada ao Manufacturing Wellness, e está relacionada ao segundo hábito – adotar novas tecnologias – e ao oitavo hábito – adoção de automação.

 

 

Planejamento para a produção flexível

 

Além de permitir que as empresas atendam à demanda ressurgente, as ferramentas de manufatura digital também facilitam o processo de planejamento de recursos para indústrias onde a demanda é difícil de prever. Isso é particularmente útil para os fabricantes de automóveis, que estão enfrentando uma pressão cada vez maior para se prepararem para a futura descontinuação gradual dos carros movidos a combustíveis fósseis.

 

É importante que os fabricantes tenham capacidade de produzir veículos elétricos em número suficiente antes da proibição de carros movidos a combustíveis fósseis em 2035 no Reino Unido e na União Europeia (UE), o que tornou difícil o planejamento de recursos. 

 

A manufatura habilitada por dados permite sistemas de produção mais flexíveis que podem se adaptar rapidamente às mudanças no desenho do produto ou na demanda do cliente, facilitando a produção de itens personalizados ou de pequenos lotes sem perda significativa de eficiência. A integração de ferramentas digitais a sistemas de gerenciamento da cadeia de suprimentos pode melhorar a previsão, reduzir os níveis de estoque e aprimorar a coordenação com fornecedores e clientes, levando a uma cadeia de suprimentos mais ágil e eficiente.

 

À medida que o ano avança, a importância das tendências do setor como, por exemplo, sustentabilidade, digitalização e previsão de demanda continuará a crescer. No entanto, encarar esses desafios como oportunidades de inovação ajudará a desenvolver fabricantes bem-sucedidos e resilientes que prosperarão em 2024 e nos anos seguintes.

 

*Helen Blomqvist é presidente da Sandvik Coromant.



Mais Notícias MM



Lecar desiste de produzir carros elétricos, mas vai focar nos híbridos.

Redirecionar esforços antes dedicados à fabricação de carros elétricos para o desenvolvimento de veículos híbridos flex, com sistema de tração elétrico, é a estratégia da montadora brasileira.

02/07/2024


Recuperação de máquinas industriais atingidas por enchentes no RS

As recomendações para a restauração de máquinas para usinagem e outros equipamentos atingidos pelas inundações no Rio Grande do Sul incluem a remoção e a limpeza de peças mecânicas e componentes eletrônicos.

20/06/2024


Segurança e saúde no ambiente fabril

Medidas de proteção à saúde de colaboradores que operam máquinas industriais e análise de riscos são considerações feitas por especialista em segurança industrial.

29/04/2024