Por Leonardo Fazzilani*

 

 

No mês de abril foi comemorado o Dia Mundial da Segurança e da Saúde no Trabalho. De acordo com o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) e do SmartLab – Observatório de Segurança e Saúde no Trabalho, foram registrados no País 612,9 mil acidentes de trabalho em 2022.

 

Os números são tão alarmantes que, segundo a Organização Internacional do Trabalho (OIT), o Brasil é o quarto país com o maior número de mortes por acidentes desse tipo.

 

Desse total, a Fundação Jorge Duprat Figueiredo de Segurança e Medicina do Trabalho (Fundacentro) apontou que cerca de 20% sejam causados por máquinas e equipamentos, dados que são comprovados pela quantidade de ações civis públicas relacionadas à segurança e à saúde no trabalho: das 2.324 registradas em 2021, 434 delas envolveram máquinas e equipamentos.

 

Considerando essas informações, fica claro que ainda há muito o que se fazer para melhorar esse cenário, sendo a prevenção sempre o melhor caminho a ser seguido. Adotar medidas que proporcionem que as máquinas industriais operem em total segurança, desde a sua concepção até a sua operação e manutenção, é fundamental para evitar acidentes e garantir a saúde e o bem-estar dos colaboradores.

 

Desde 1978 as empresas brasileiras precisam atender à Norma Regulamentadora 12 (NR 12), que define referências técnicas, princípios fundamentais e medidas de proteção para resguardar a saúde e a integridade física dos trabalhadores.

 

Ao longo dos anos, ela passou por diversas mudanças devido à contínua transformação e evolução da indústria nacional – a mais recente delas ocorreu em dezembro de 2022. Atender à NR 12 se tornou um ato de consciência com a saúde e a segurança dos colaboradores, além de melhorar o desempenho em processos realizados nas linhas de produção.

 

Tecnicamente, a NR 12 é resultado da regionalização de várias regulamentações internacionais. Nos Estados Unidos, por exemplo, a responsabilização por um acidente é sempre do empregador. É ele quem tem de promover e implementar a segurança do parque fabril. Já na Europa, essa responsabilidade é dividida: a da máquina é do fabricante e a do seu uso adequado fica por conta do empregador.

 

A nossa norma é um misto de ambas. No que se refere à implantação de medidas técnicas, adotamos mais o perfil europeu, e no que tange à responsabilização, seguimos mais o modelo norte-americano, o que requer uma maior atenção das companhias na adoção de medidas técnicas que garantam um nível aceitável de risco, e na exigência para que seus fornecedores ofereçam um maquinário realmente seguro.

 

Para estar em conformidade com a NR 12, antes de colocar qualquer máquina em funcionamento, é preciso realizar a apreciação de risco, ou seja, analisar e avaliar os riscos para identificar quais são os perigos existentes e o seu nível em cada fase de vida da máquina. A apreciação vai estabelecer todo um processo para assegurar que a máquina esteja em conformidade com a legislação brasileira.

 

E um ponto muito importante: essa análise tem de ser tão detalhada quanto à complexidade da máquina em questão. Por isso, é preciso contar com um bom analista de risco. Somente um profissional preparado e experiente será capaz de avaliar parâmetros e usar o bom senso para aplicar uma análise que seja compatível com o equipamento observado.

 

Vale lembrar que essa avaliação deve ser realizada antes do início da instalação dos equipamentos, por exemplo. Dessa forma, garantimos que a operação não seja interrompida causando prejuízos aos negócios.

 

Também é ideal estabelecer um ciclo de melhoria contínua que deve envolver a empresa como um todo. Recentemente li em um livro a frase: Cada um precisa fazer sua parte para que todas as partes sejam feitas. Todos os envolvidos devem ter conhecimentos em segurança, cada um entendendo seu papel para que, juntos, como uma equipe multidisciplinar, possamos alcançar um estágio mais avançado, sempre buscando a segurança e a produtividade do equipamento.

 

Afinal, no fim do dia, todos os colaboradores merecem voltar para casa com saúde.

 

*Leonardo Fazzilani é especialista em segurança industrial e adequação de máquinas da Schmersal.


 

Imagens: Schmersal, Freepik.



Mais Notícias MM



Perspectivas para o setor de manufatura em 2024

Como as empresas do setor de manufatura, e inclusive as de usinagem, podem se adaptar aos atuais desafios? Investir em ferramentas digitais e na integração delas à produção no chão de fábrica é um dos possíveis caminhos.

24/05/2024


A produção de aço no panorama da sustentabilidade

Alternativas para o alinhamento efetivo da indústria do aço com os conceitos de sustentabilidade e a mitigação da emissão de CO2 são temas comentados por dirigente da Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração (ABM).

15/04/2024


Como otimizar a usinagem usando métodos científicos, criatividade e pensamento crítico.

Uma planta industrial de fabricação de moldes obteve aumento da produtividade graças a um projeto que reuniu expertises de profissionais da usinagem, da área de máquinas e de ferramental. Especialista em desenvolvimento de projetos para a otimização de processos produtivos reuniu casos de diversas áreas da indústria em seu livro intitulado “Cientista industrial”.

18/03/2024