Conhecida pela fabricação de ferramentas rotativas de usinagem, a alemã Gühring calcula que “cerca de 16% das interrupções no fluxo de trabalho das companhias são atribuídas à falta de produtos para o abastecimento em nível intermediário”. Com o objetivo de minimizar esse problema, a empresa incluiu em seu portfólio de serviços o Software de Gerenciamento GTMS, que já vem sendo aplicado em siversos segmentos. O sistema controla toda a cadeia de ferramentas, peças para produção, instrumentos de metrologia, dispositivos de fixação, equipamentos de proteção individual (EPIs), insumos para linha de montagem, entre outros.

Em sua aplicação no segmento metalmecânico, o GTMS também tem a capacidade de controlar itens como chaves, equipamentos de manutenção, instrumentos eletrônicos, calibradores, além de outros itens que os clientes julgarem como importantes à gestão rigorosa do consumo e dos custos. O sistema mantém um armazenamento de dados próprio, e ainda pode transferir todas as informações para um sistema ERP (Enterprise Resource Planning), para um sistema de planejamento e produção (PPS) ou outros sistemas de gestão utilizados pelo usuário.



Segundo a empresa, ao prevenir a falta de materiais, o GTMS reduz o desperdício e melhora a utilização dos recursos. Com isso, consegue reduzir em 15% a 20% os custos gerados por problemas de abastecimento.

 

#gerenciamento #gestao #armazenamento #insumos #ferramentas #ERP #PPS


 



Mais Notícias MM



Automação: fabricante de motores moderniza chão de fábrica no Brasil

Cummins realiza atualizações em sua filial em Guarulhos que incluem sistema de localização de componentes e implantação de robôs colaborativos

07/12/2021


Ferramentas de corte: alargadores para trabalhos em aço, alumínio e ferro fundido

Com uso direcionado para a indústria automotiva e outros setores, novas ofertas da Gühring têm variados revestimentos

07/12/2021


Mercado internacional: máquinas-ferramentas registram bons números na Europa

De acordo com a associação europeia do setor, o crescimento será de 11,5% neste ano e de 15,2% em 2022, embora o coronavírus ainda seja uma ameaça importante

07/12/2021