O grafeno pode se tornar mais bem processado em breve graças ao reator de dispersão colocado recentemente em funcionamento pela UCSGRAPHENE - unidade de nanotecnologia da Universidade de Caxias do Sul (RS) - e pela empresa Zextec Consultoria Empresarial. A tecnologia é considerada por seus criadores como inovadora em nível mundial para o manuseio da substância.

O equipamento visa aumentar a qualidade do grafeno ao misturá-lo da maneira mais homogênea possível em qualquer material onde seja aplicado, como lubrificantes, tintas e solventes. Para que isso aconteça, foi equipado com alta capacidade de cisalhamento, funcionando em até 200.000 rpm, o que evita a dispersão de nanomateriais.   

De acordo com os desenvolvedores, o primeiro protótipo do reator encontra-se atualmente em funcionamento após dois meses de teste e os resultados iniciais são alvissareiros: o equipamento reproduz em escala industrial os mesmos resultados de dispersão colhidos em laboratório. Se tal expectativa for confirmada, abrem-se novos caminhos para a aplicação maciça do grafeno em produtos já existentes na indústria mundial e em outros que poderão surgir no futuro próximo. 



Mais Notícias MM



Robotização: fabricante de rolamentos reduz tempo de ciclo e ganha produtividade em processo

Usinagem de chanfros pela NTN Driveshaft passou a ser feita por robôs, que também operam na carga e descarga das peças

15/01/2021


PIPE FAPESP agora recebe propostas em fluxo contínuo

Novidade permite que projetos de apoio científico e tecnológico sejam analisados de imediato e, em caso de reprovação, reapresentados a qualquer momento após correção

07/12/2020


TRUMPF se alia a instituto alemão para projetos de Inteligência Artificial (IA)

Uso de redes neurais poderá fazer com que o processamento de chapas metálicas tenha tempo e custo reduzidos

19/10/2020