Segundo Ezugwu e Wang[2], o progresso na usinagem de ligas de titânio não avançou como em outros materiais, devido a sua resistência mecânica  a altas temperaturas, baixa condutividade térmica, baixo módulo de elasticidade e alta reatividade química, que levam a elevada temperatura de corte e vibração. Assim, o sucesso na usinagem das ligas de titânio depende em grande parte da superação dos principais problemas associados às propriedades inerentes destes materiais.

As ligas de titânio possuem alto valor e grande aplicabilidade industrial, sendo comumente utilizadas na fabricação de peças com alta confiabilidade, cujas propriedades devem ser mantidas em regimes de trabalho a altas temperaturas [2].

A temperatura de usinagem é um parâmetro muito importante e representa uma quantificação da energia mecânica, devido às deformações plásticas e ao atrito entre a peça e a ferramenta, dissipado durante o processo na forma de calor. Na usinagem do titânio, as altas temperaturas resultam em um alto desgaste de ferramenta.

Uma grande porcentagem (cerca de 80%) do calor gerado na usinagem da liga de titânio Ti- 6AI-4V é conduzida para a ferramenta, pois não pode ser removida com o cavaco ou dissipada para a peça devido à baixa condutividade térmica do material. Esta característica torna praticamente inviável sua usinagem a seco [4].

Os fluidos lubrificantes/refrigerantes introduzem uma série de melhorias funcionais no processo de usinagem de metais. As melhorias de caráter funcional são aquelas que facilitam o processo de usinagem, conferindo a este um melhor desempenho, com redução do coeficiente de atrito entre a ferramenta e o cavaco, expulsão do cavaco da região de corte, refrigeração da ferramenta, refrigeração da peça em usinagem, melhor acabamento da peça usinada e refrigeração da máquina-ferramenta. Para a obtenção destas melhorias, diversas formas de aplicação e tipos de fluidos de corte são utilizados. Entre os meios auxiliares, os principais métodos de aplicação são fluido em abundância (emulsão); atualmente, o de mínima quantidade de lubrificação (MQL); e a usinagem a seco [4].

A técnica de MQL é uma alternativa vantajosa para indústria moderna. Ela consiste na utilização de uma pequena quantidade de fluido lubrificante pulverizada sobre a peça, o que reduz significativamente o seu consumo. O princípio básico de funcionamento do sistema MQL é o arrastamento de uma pequena quantidade de lubrificante por uma corrente de ar comprimido que é dirigido sobre a região de corte (direcionado à aresta de corte da ferramenta).

Esse arrastamento provoca a atomização do lubrificante, fazendo com que a sua distribuição na zona de corte seja uniforme.

Alguns pesquisadores também utilizaram o grafite e o bissulfeto de molibdênio como lubrificantes sólidos. O papel efetivo dos lubrificantes sólidos foi evidente a partir da melhoria global do processo. Alguns trabalhos analisaram diferentes parâmetros do processo como forças de corte, temperatura, energia específica e rugosidade superficial. Eles foram observados e relatados como inferiores quando comparados com os resultados da usinagem com refrigeração convencional [3-8].

Segundo Tabak et al [7], a adição dos lubrificantes sólidos ao fluido lubrificante mostrou uma melhora significativa na capacidade de lubrificação/refrigeração do sistema, que pode ser relacionada à melhor lubrificação da interface, permitindo que o material da peça cisalhe e deslize. Isso reduz as deformações plásticas na superfície de saída e, consequentemente, libera menos energia plástica na forma de calor.

O lubrificante sólido mais eficaz foi o MoS2, seguido pelo

Figura 1 – Gráficos de rugosidade média (Ra). O valor máximo do desvio padrão amostral foi de 0,02 μm. Para melhor visualização, as barras de desvio foram suprimidas dos gráficos (a), (b), (c), (d) e (e).

GR625 e GR325. Provavelmente, a menor granulometria do MoS2 propicia uma penetração mais efetiva junto à interface cavaco-ferramenta. A redução da temperatura de usinagem corrobora com resultados obtidos por outros pesquisadores [4,5], que estudaram o efeito do MoS2 como lubrificante sólido.

Isso mostra que há uma redução significativa dos valores de rugosidade quando comparados com os da usinagem a seco e com fluido de corte.

Este trabalho faz parte da atual linha de pesquisa do Laboratório de Fabricação Mecânica/LFM da UFG-Regional Catalão em parceria com a UFU/Lepu. A presente pesquisa concentra-se na usinagem com lubrificação sólida, buscando contribuir para uma usinagem sustentável e ecológica de materiais avançados de engenharia. Esta pesquisa passa a ser uma alternativa a tradicionais técnicas de usinagem.

Procedimentos experimentais

Os ensaios foram conduzidos nas dependências do Laboratório de Ensino e Pesquisa em Usinagem da Faculdade de Engenharia Mecânica (LEPU/FEMEC/UFU). Foi utilizado um torno CNC Romi Multiplic35D, com rotação máxima de 3.000 rpm. O corpo de prova de titânio ASTM F136 grau 5, conhecido como liga ti-6Al-4V, possuía a dimensão de 200 mm de diâmetro x 300 mm. Foi utilizado fluido de corte sintético (Quimatic Super Fluido 3) aplicado pelo sistema MQL da Accu-Lube, com pressão de 3 bar e vazão de 5 mL/min. As ferramentas utilizadas possuem o código SNMG120408-SM, metal duro da classe 1105, são revestidas com TiAlN (PVD) e são produzidas pela Sandvik.

Os testes foram realizados a seco e com MQL, apenas com fluido de corte e com solução contendo fluido de corte e lubrificantes sólidos. As soluções utilizadas continham fluido de corte e lubrificante sólido com 20% em peso. Foram utilizados grafite malha 625 (granulometria média de 20 μm); grafite malha 325 (40 μm); e bissulfeto de molibdênio (MoS2, 6 μm). Os parâmetros de corte são apresentados na tabela 1.

A rugosidade média aritmética (Ra) foi medida com auxílio de um rugosímetro Mitutoyo, modelo SJ-201 com cut-off de 0,8 mm x 5 leituras. O comprimento de amostragem é definido pela norma ISO 4287 [1]. Foram realizadas seis medições para cada condição de corte, com temperatura média de 28oC, ao longo do comprimento usinado na direção de avanço da ferra- menta. Todos os testes foram realizados com uma aresta nova da ferramenta de corte.

Resultados e discussão

A qualidade do acabamento superficial e dimensional é requisito básico para a produção das mais variadas peças. Durante a usinagem das ligas de titânio, um fator limitante é a formação excessiva de calor na aresta de corte. Ele pode causar danos térmicos à ferramenta, contribuindo para um resultado indesejado de acabamento superficial. Assim, para diminuir a formação de calor, utilizam-se fluidos a fim de refrigerar e lubrificar a zona de corte.

O uso de fluidos de corte pode causar danos ambientais e prejuízos à saúde de operadores. Assim, seu uso deve ser diminuído e otimizado, buscando manter os padrões de qualidade de produção, o bem-estar de operadores e evitando-se danos ao meio ambiente.

Seguindo esta nova tendência mundial, a utilização dos eco-lubrificantes vem ganhando força e esta pesquisa tem como foco a utilização desta classe de produtos associados à técnica de MQL.

A figura 1 (pág. 17) mostra a evolução dos valores de rugosidade média (Ra) com a variação dos parâmetros de corte (vc, ap e f). Podemos notar que a rugosidade média (Ra) tende a aumentar com o aumento do avanço e diminuir com o aumento da velocidade de corte.

Para as condições a seco, nota-se um comportamento distinto da curva de rugosidade, o que pode ser explicado pela presença da aresta postiça de corte. A formação da aresta postiça é proporcionada devido à alta taxa de encruamento da liga Ti-6Al-4V, o que pode ter ocorrido para os valores de rugosidade com velocidade intermediária (50 m/min).

A profundidade de corte tem pouca influência sobre a qualidade superficial para os valores utilizados neste trabalho, como pode ser visto na figura 1f.

Quando comparamos os valores de Ra obtidos com a usinagem a seco e com MQL, podemos notar que os valores de rugosidade diminuem significativamente, o que é resultado da diminuição do gradiente de temperatura da ferramenta de corte.

A adição dos lubrificantes sólidos ao fluido lubrificante mostrou uma melhora significativa na capacidade de lubrificação/refrigeração do sistema, o que pode ser relacionado à melhor lubrificação da interface.

Ela permite que o material da peça cisalhe e deslize reduzindo, assim, as deformações plásticas na superfície de saída e, consequentemente, liberando menos energia plástica na forma de calor.

O lubrificante sólido mais eficaz foi o MoS2, seguido pelo GR625 e pelo GR325. Provavelmente, a menor granulometria do MoS2 propicia uma penetração mais efetiva junto a interface cavaco-ferramenta.

O mesmo ocorre em relação aos dois tipos de grafite utilizados, o GR625 foi superior ao GR325.

Tanto o grafite quanto o MoS2 não possuem um histórico clínico patogênico, ou seja, são lubrificantes relativamente livres de perigos inerentes ao uso para o operador. Combinados com o uso da técnica MQL, eles podem contribuir para uma usinagem sustentável e ecológica para materiais avançados de engenharia.

Os lubrificantes sólidos não têm custo proibitivo e os resultados demonstram claramente a viabilidade econômica do seu uso na usinagem de ligas de baixa usinabilidade, como no caso da liga Ti-6Al-4V.

Conclusão

A adição dos lubrificantes sólidos mostrou um efeito positivo no acabamento superficial durante a usinagem da liga ti-6Al-4V, diminuindo significativamente os valores de rugosidade quando comparados com a usinagem com fluido de corte. A melhor performance dentre os lubrificantes sólidos foi a do MoS2, seguido pelo GR625 e GR325.

Referências

1] ABNT NBR 4287: Rugosidade: Metódo do perfil - Termos, definições e parâmetros da rugosidade, 2002.

2] Ezugwu, E. O.; Wang, Z. M.: Titanium alloys and their machinability a review. Journal of Materials Processing Technology, 1997.

3] Krishna, P. V.; Rao, D. N.: Performance evaluation of solid lubricants in terms of machining parameters in turning. International Journal of Machine Tools and Manufacture, v. 48, p. 1.131-1.137, 2008.

4] Moura, R. R.; Silva, M. B.: Efeito do lubrificante sólido (MoS2) na rugosidade da liga Ti-6Al-4V no torneamento. VIII Congresso Nacional de Engenharia Mecânica, 8o Conem, Uberlândia: ABCM, v. CD-ROM, 2014.

5] Reddy, N. S. K.; Rao, P. V.: Experimental investigation to study the effect of solid lubricants on cutting forces and surface quality in end milling. International Journal of Machine Tools and Manufacture 46, p. 189-198, 2006.

6] Shaji, S.; Radhakrishnan, V.: An investigation of a solid lubricant moulded grinding wheels. International Journal of Machine Tools and Manufacture 43, p. 965–972, 2003.

7] Tabak, D.; Moura, R. R.; Silva, M. B.: Temperatura de usinagem no torneamento da liga Ti-6Al-4V com o uso de lubrificantes sólidos.

8] Venugopal, A.; Rao, P. V.: Performance improvement of grinding of SiC using graphite as a solid lubricant. Materials and Manufacturing Processes 19 (2), p. 177-186, 2004.


Mais Artigos MM



Vida das ferramentas alisadoras e convencionais no torneamento do aço SAE 4140

Os processos de usinagem de alto desempenho procuram associar os parâmetros ótimos de corte e a máxima taxa de remoção de material com a ferramenta mais adequada, inclusive para o controle do estado da superfície usinada. Neste trabalho, pretendeu-se avaliar de maneira comparativa a vida das ferramentas convencional e alisadora com raio de canto de 0,4 mm no torneamento de acabamento do aço SAE 4140. Ensaios preliminares de usinagem a seco mostraram que a rugosidade média de 1,99 ± 0,17 µm foi obtida com ferramenta convencional usando velocidade de corte de 515 m/min, avanço de 0,15 mm/volta e profundidade de corte de 0,5 mm, enquanto a ferramenta alisadora atingiu Ra de 1,67 ± 0,18 µm com o dobro tanto do avanço (0,30 mm/volta) quanto da profundidade de corte (1 mm). A metodologia de análise consistiu de ensaios de vida com medições de rugosidade da peça e de desgastes das ferramentas até atingir valores que pudessem comprometer o desempenho do processo. O tempo decorrido até a falha foi o tempo de vida da ferramenta.

13/06/2022


Análise dos parâmetros de corte via MEV do material como recebido

Ao relacionar os parâmetros relevantes de corte do aço inoxidável ABNT 304 no estado como recebido com os dados de rugosidade e microdureza, torna-se possível estabelecer valores que poderão gerar melhor acabamento superficial. Com a utilização de uma ferramenta de metal duro revestida durante processo de torneamento, foram recolhidas amostras de cavacos correspondentes aos parâmetros de usinagem a cada passe. Para cada amostra de cavaco foi medido o comprimento e, posteriormente, analisados o tipo e a forma do cavaco. Por fim, realizou-se uma microscopia eletrônica de varredura dos cavacos obtidos. O maior valor de avanço gerou pior acabamento superficial e aumento da microdureza. Em contrapartida, o comprimento dos cavacos foi reduzido, o que se tornou benéfico para o processo de usinagem. Os resultados mostram que é possível estabelecer uma relação dos parâmetros de usinagem com a microdureza próxima à superfície, com a rugosidade e com as características dos cavacos.

10/06/2022


Transformada rápida de Fourier ajuda a entender as microirregularidades no alumínio

A ideia principal deste trabalho foi utilizar técnicas de processamento e análise de imagens digitais para a medição de microirregularidades espaçadas deixadas pelo processo de torneamento da liga estrutural de alumínio AA 7050. Conforme se processa o avanço da ferramenta contra a superfície da peça, sulcos repetitivos vão sendo deixados. Se medidos, esses sulcos podem representar o próprio valor do avanço e, com esse dado, pode-se determinar a rugosidade teórica proposta pelo fabricante de ferramenta de corte. No entanto, as medidas de rugosidades teóricas nem sempre correspondem às feitas pelo rugosímetro. A transformada rápida de Fourier pode ser representada por um espectro de magnitude com média de frequências de repetições. Aplicadas em uma imagem, as repetições ajudam a obter valores de espaçamentos entre as microirregularidades e podem ser comparadas à rugosidade da peça.

27/05/2022