Problemas relacionados com a temperatura de corte gerada durante o processo são mais evidenciados no torneamento de aços, ferro fundido e ligas que apresentam alto ponto de fusão. Eles chegam até a dificultar a remoção do material no qual as altas taxas de deformação são necessárias para a formação de cavaco. Por isso, na  avaliação de desempenho de uma ferramenta e/ou revestimento é necessário entender os fatores que influenciam a geração de calor e o fluxo de distribuição de temperatura no material da ferramenta e da peça junto à aresta de corte.

Grande quantidade de calor gerado fica retido no cavaco (80%), e o restante é distribuído entre a ferramenta (18%) e a peça (2%). A temperatura máxima fica localizada na interface cavaco-ferramenta. Segundo Ezugwu[1] e Trent[5], as possíveis explicações para isso acontecer estão contidas nos seguintes argumentos:

 

Vários métodos, experimentais e numéricos, vêm sendo desenvolvidos ao longo do tempo, com o objetivo de determinar a temperatura gerada durante o processo de torneamento. Entre os métodos experimentais mais utilizados na medição de temperatura destacam-se[3]:

O método de elementos finitos destaca-se entre as modernas técnicas numéricas para a determinação da temperatura. Além de determinar a distribuição da temperatura na peça, o seu uso também possibilita definir o gradiente de temperatura na ferramenta de corte e até mesmo a temperatura no cavaco[3].

O principal objetivo deste trabalho é comparar a temperatura de torneamento de uma liga de alumínio na região de formação de cavaco, variando a velocidade de corte e o avanço. Foram utilizados o método experimental por inserção de termopares e o método numérico por elementos finitos.

 

Procedimento experimental

Para a calibração do termopar ferramenta/peça utilizou-se um corpo de prova de liga de alumínio 6351 com diâmetro de 51 mm e comprimento de 270 mm, além de ferramenta Sandvik de metal duro classe N10, geometria TCGX 167308PF, e porta-ferramenta STGCR 2020 K16. Combinados, ferramenta e porta-ferramenta geram um ângulo de posição χr = 91°, saída λ0 = 0°, inclinação λs = 0° e folga α0 = 7°.

Foram usadas ainda escova de grafite, base magnética para suporte da escova de grafite e manta isolante com resistência de até 1.200°C.

O passo inicial para os testes de torneamento consistiu na calibração do par termoelétrico formado pela peça e sua respectiva ferramenta. Parte do momento em que se vai medir a tensão gerada devido à diferença de temperatura ocasionada pela operação de corte. O maior cuidado é utilizar os mesmos materiais tanto para a calibração quanto para os testes de torneamento.

Para avaliar a evolução da temperatura no processo de torneamento, foi montado um sistema de coletas de dados. A principal preocupação neste tipo de montagem é garantir o isolamento da peça nas castanhas do torno e da sua contraponta, além da montagem da ferramenta no torno. As montagens esquematizadas dos sistemas de calibração e para a coleta de dados são mostradas na figura 1.

Figura 1 – Sistemas de calibração e para coleta de dados

 

Liga de alumínio

Com o objetivo de observar a influência da velocidade de corte e do avanço na temperatura entre o material e a ferramenta, foram realizados quatro ensaios para a liga de alumínio.

 

Método dos elementos finitos

Para a modelagem numérica por elementos finitos do processo de torneamento foram usadas as técnicas lagrangiana e euleriana, chamadas arbritariamente de formulação lagrangiana e euleriana. As duas são bastante parecidas. A maior diferença é que, na formulação lagrangiana, é atribuída uma malha discretizada ao corpo de prova, e o modelo do material é elastoplástico, apenas plástico ou viscoplástico. Na formulação euleriana, é assumido um fluxo através da malha para descrever o material[2].

Para a modelagem do torneamento da liga de alumínio, foi utilizado o aplicativo Deform 2D, de formulação lagrangiana com remalha automática, o que torna a simulação mais fácil. Para a modelagem do torneamento, o conjunto ferramenta-material foi reduzido a um estado de deformação plana ortogonal[2].

A análise por elementos finitos pelo aplicativo Deform 2D é similar ao processo de forjamento: a ferramenta de corte é tratada como uma matriz que penetra no corpo de prova. O cavaco forma-se pelo fluxo natural do material ao redor da ferramenta, onde o material é dividido em duas partes: uma segue paralelamente ao ângulo de inclinação e a outra, ao ângulo de folga[4].

A liga de alumínio foi modelada como material isotrópico e totalmente plástico, com uma malha de 6.000 elementos quadrados. A malha é mais fina na parte superior do material, região onde ocorre maior remoção, garantindo, assim, a convergência de resultados. Uma malha mais grosseira no restante do corpo de prova não compromete os resultados.

A equação constitutiva para descrever a curva de fluxo do comportamento da liga durante o torneamento é gerada em função da deformação, da taxa de deformação e da temperatura:

As propriedades mecânicas e térmicas da liga de alumínio foram obtidas diretamente da biblioteca do aplicativo. Já a ferramenta de corte, de carbeto de tungstênio sem revestimento, foi modelada como material isotrópico e totalmente plástico, com 600 elementos quadrados. As propriedades mecânicas e térmicas do material também foram obtidas diretamente da biblioteca do aplicativo numérico. Tendo em vista que foi considerado apenas o comportamento dos materiais no regime plástico, as propriedades elásticas não são apresentadas por serem irrelevantes no presente estudo.

Foi utilizado o atrito cisalhante na interface ferramenta-material com o valor de 0,1 para a liga de alumínio[6].

 

Transferência de calor

É comum aceitar duas fontes de geração de calor no processo de torneamento. A primeira corresponde ao trabalho proveniente da deformação plástica do material e da dissipação de calor gerado na interface ferramenta-material, os quais são praticamente convertidos em calor. Usualmente, a porcentagem da energia convertida em calor é assumida em 90%.

Para a temperatura ambiente, para o material e para a ferramenta de corte foi empregado o valor de 20°C. De acordo com Yen et al[6], a perda de calor por convecção para o ambiente dá-se pelas superfícies que não estão em contato com a ferramenta e o material, e é dada pela equação 1.

 

Liga de alumínio

Onde:

Tw = temperatura do material,

T0 = temperatura ambiente e

h = coeficiente de transferência convectiva de calor.

Para as simulações, foi adotado o valor de 50 W/m2.K para o coeficiente de convectividade térmica.

 

Resultado e discussão

A tabela 1 mostra a temperatura média na interface ferramenta-material, obtida tanto experimentalmente quanto numericamente, variando apenas a velocidade de corte. Pode ser visto que a temperatura aumenta de forma linear à medida que a velocidade aumenta. Isso é atribuído ao fato de a taxa de remoção do material em um mesmo intervalo de tempo ser maior, o que aumenta a quantidade de calor gerado e, em consequência, a temperatura.

Já a tabela 2 mostra a temperatura média na interface ferramenta-material, tanto experimentalmente quanto numericamente, variando apenas o avanço. Neste tipo de situação, a velocidade de corte foi fixada em 150 m/min e a profundidade de corte em 0,5 mm. Tais resultados indicam um aumento da temperatura de corte na interface material-ferramenta à medida que se aumenta o avanço, pois a ferramenta avançará uma distância maior em um mesmo intervalo de tempo. Isso acarreta aumento da taxa de remoção do material e, consequentemente, da temperatura.

Percebe-se que há uma boa consistência entre os resultados experimentais e simulados, exceto para o avanço de 0,05 mm/ volta. Isso pode ser atribuído, possivelmente, ao cavaco formado romper o isolamento do circuito e encostar-se às partes do torno que não estavam isoladas. Como resultado, influencia os valores.

A figura 2 mostra os históricos da evolução das temperaturas, do material e da ferramenta de corte, simuladas para todas as velocidades de corte. Percebe-se que, a partir de um determinado instante de tempo, a temperatura permanece constante, indicando que o regime de trabalho foi atingido no processo de torneamento. Nesse mesmo instante, para todas as velocidades de corte, a temperatura da ferramenta de corte foi praticamente a mesma, de 27,8°C.

Figura 2 – Evolução da temperatura da liga de alumínio (a) e da ferramenta de corte (b).

A figura 3 mostra os históricos da evolução das temperaturas, do material e da ferramenta de corte, simuladas para todos os avanços estudados. Percebe-se que o avanço tem pouca influência na temperatura do material, principalmente se comparados os avanços de 0,05; 0,10 e 0,15 mm/volta. A mesma observação é válida para a temperatura da ferramenta.

Figura 3 – Evolução da temperatura da liga de alumínio (a) e da ferramenta (b) em função do avanço.

A figura 4 mostra a distribuição da temperatura do material no instante em que o sistema alcança o regime de trabalho, para a velocidade de corte de 150 m/min com avanço de 0,05 mm/volta. Percebe-se que a máxima temperatura (131oC) está localizada na interface cavaco-ferramenta, comprovando a representação esquemática proposta por Ezugwu[1].

Figura 4 – Distribuição da temperatura na liga de alumínio para a velocidade de corte 150 m/min com avanço de 0,05 mm/volta.

Uma das vantagens do método de elementos finitos é prever determinadas situações, o que ajuda a elucidar como o processo evolui. A figura 5, para a velocidade de corte de 150 m/min com avanço de 0,05 mm/volta, mostra a zona de maior tensão efetiva, em vermelho, que está diretamente associada às regiões primária e secundária de cisalhamento. É na região primária de cisalhamento que o material passa a se deformar plasticamente, e que, junto com o avanço da ferramenta, faz com que as tensões ultrapassem o limite de resistência do material, promovendo a ruptura. A extensão dessa ruptura depende principalmente da ductilidade do material da peça.

Figura 5 – Distribuição da tensão efetiva para a velocidade de corte 150 m/min com avanço de 0,05 mm/volta.

A maior parte do calor gerado na região primária de cisalhamento é dissipada pelo cavaco, mas uma pequena fração é conduzida para a peça e aumenta a sua temperatura. Pode-se observar que a temperatura do cavaco não terá nenhuma influência na temperatura da ferramenta, porque o tempo com que uma pequena porção do cavaco passa sobre a superfície de saída da ferramenta é muito pequeno para conduzir calor.

O calor gerado pela região secundária de cisalhamento é responsável pelas temperaturas da ferramenta de corte. As altas temperaturas nas ferramentas de corte não só aceleram os mecanismos de desgaste termicamente ativados, mas também reduzem o limite de escoamento dessas ferramentas.

 

Conclusões

O modelo termomecânico de deformação plana ortogonal para o torneamento, com formação de cavaco contínuo, mostrou-se bastante apropriado para predizer a distribuição de temperatura na liga de alumínio e na ferramenta de corte, e também para a determinação da zona primária de cisalhamento.

Tanto experimentalmente quanto numericamente a temperatura na interface material-ferramenta aumenta linearmente com a velocidade de corte. O avanço apresentou pouca significância na temperatura.

Independentemente da velocidade de corte, a temperatura média da ferramenta foi cerca de 28°C quando o sistema alcançou o regime de trabalho.

O aplicativo numérico Deform 2D, de formulação lagrangiana, mostrou-se bastante eficaz, pois gerou resultados condizentes com o experimental.

 

Referências

  1. Ezugwu, E. O.: Evaluation of cermet cutting tool materials when machining G-17 cast iron. Lubrification Engineering, p. 49-55, 1993.
  2. Grzesik, W.; Bartoszuk, M.; Nieslony, P.: Finite element modelling of temperature distribution in the cutting zone in turning processes with differently coated tools. Journal of Materials Processing Technology 164-165, 1.204-1.211, 2005.
  3. Machado, A. R.; Silva, M. B.: Usinagem dos metais. Laboratório de Ensino e Pesquisa em Usinagem, Depto. de Engenharia Mecânica, Universidade Federal de Uberlândia, 1998.
  4. Shatla, M.; Kerk, C.; Altan, T.: Process modeling in machining. Part II: validation and applications of the determined flow stress data. International Journal of Machine Tools & Manufacture, v. 41, p. 1.659-1.680, 2001.
  5. Trent, E. M.: Metal cutting. London, Butterworths ISBN 0.408.10856-8, 2a ed., 245 p., 1984.
  6. Yen, Y-Ch.; Jain, A.: Altan,T.: A finite element analysis of orthogonal machining using different tool edge geometries. Journal of Materials Processing Technology, 146, p. 72-81, 2004.

Mais Artigos MM



Desempenho dos tipos comercial e recuperado no processo de retificação

O desempenho do processo de retificação depende muito das condições de lubrificação e refrigeração proporcionadas pelos fluidos de corte. Entretanto, este é um dos componentes mais problemáticos da manufatura, uma vez que é nocivo ao meio ambiente e à saúde humana. O intuito deste trabalho é avaliar o desempenho dos fluidos de corte comercial e recuperado na qualidade das peças produzidas com aço ABNT 4340 temperado e revenido, com dureza média de 52 HRC, na retificação cilíndrica externa de mergulho. Todos os parâmetros de corte foram mantidos constantes, alternando-se apenas a velocidade de mergulho e o tempo de centelhamento. A avaliação do desempenho dos fluidos de corte consistiu nas análises do potencial corrosivo, da integridade superficial da peça e do desgaste do rebolo. Os resultados mostram a viabilidade da reutilização do fluido de corte, com melhoria da eficiência do processo e contribuição para uma manufatura ecologicamente correta.

27/06/2022


Vida das ferramentas alisadoras e convencionais no torneamento do aço SAE 4140

Os processos de usinagem de alto desempenho procuram associar os parâmetros ótimos de corte e a máxima taxa de remoção de material com a ferramenta mais adequada, inclusive para o controle do estado da superfície usinada. Neste trabalho, pretendeu-se avaliar de maneira comparativa a vida das ferramentas convencional e alisadora com raio de canto de 0,4 mm no torneamento de acabamento do aço SAE 4140. Ensaios preliminares de usinagem a seco mostraram que a rugosidade média de 1,99 ± 0,17 µm foi obtida com ferramenta convencional usando velocidade de corte de 515 m/min, avanço de 0,15 mm/volta e profundidade de corte de 0,5 mm, enquanto a ferramenta alisadora atingiu Ra de 1,67 ± 0,18 µm com o dobro tanto do avanço (0,30 mm/volta) quanto da profundidade de corte (1 mm). A metodologia de análise consistiu de ensaios de vida com medições de rugosidade da peça e de desgastes das ferramentas até atingir valores que pudessem comprometer o desempenho do processo. O tempo decorrido até a falha foi o tempo de vida da ferramenta.

13/06/2022


Análise dos parâmetros de corte via MEV do material como recebido

Ao relacionar os parâmetros relevantes de corte do aço inoxidável ABNT 304 no estado como recebido com os dados de rugosidade e microdureza, torna-se possível estabelecer valores que poderão gerar melhor acabamento superficial. Com a utilização de uma ferramenta de metal duro revestida durante processo de torneamento, foram recolhidas amostras de cavacos correspondentes aos parâmetros de usinagem a cada passe. Para cada amostra de cavaco foi medido o comprimento e, posteriormente, analisados o tipo e a forma do cavaco. Por fim, realizou-se uma microscopia eletrônica de varredura dos cavacos obtidos. O maior valor de avanço gerou pior acabamento superficial e aumento da microdureza. Em contrapartida, o comprimento dos cavacos foi reduzido, o que se tornou benéfico para o processo de usinagem. Os resultados mostram que é possível estabelecer uma relação dos parâmetros de usinagem com a microdureza próxima à superfície, com a rugosidade e com as características dos cavacos.

10/06/2022