A Absolar - Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica está propondo aos candidatos à Presidência da República que incorporem em seus programas de governo a meta de atingir cerca de 5 milhões de telhados solares até o final de 2026, o que equivale a aproximadamente 25 GW de potência instalada em geração distribuída. Segundo a entidade, apenas com esse compromisso seria possível atrair R$ 124 bilhões em novos investimentos privados, gerar 750 mil empregos e arrecadar aos cofres públicos R$ 37,6 bilhões em tributos.

A proposta faz parte de um conjunto de pedidos da associação para que o próximo governo crie políticas públicas para fomentar não só a GD, mas a geração solar centralizada, a cadeia produtiva nacional e os sistemas de armazenamento de energia por baterias.

Para a expansão da geração solar centralizada, a proposta da Absolar é a de que o novo governo desenvolva medidas de transição energética para alcançar a neutralidade de emissões de carbono até 2050 (net zero). E dentro dessa perspectiva a entidade pede mais contratação de empreendimentos sustentáveis competitivos, como a solar, e amplie os investimentos em transmissão, para evitar gargalos na conexão e no escoamento da energia renovável gerada.

Além disso, ainda como propostas, a associação sugere a promoção de licitações para contratação de energia elétrica, de potência e de reserva de capacidade, com mais participação das fontes renováveis e de sistemas de armazenamento de energia. As sugestões ainda envolvem a criação de política industrial para a cadeia produtiva do setor, com promoção de isonomia tributária entre os produtos nacionais e importados, via desoneração de insumos.

Por fim, consta como ideia aos candidatos a ampliação do acesso ao crédito a toda a cadeia de valor do setor e o enquadramento legal para o armazenamento de energia, o que traria segurança jurídica e regulatória, segundo a Absolar, bem como viabilizaria novos investimentos na área.      

 “O Brasil está cerca de dez anos atrasado em comparação com os países desenvolvidos na área da energia solar fotovoltaica e, portanto, é necessária a estruturação de um programa nacional robusto para o desenvolvimento do setor no País”, comentou o presidente do Conselho de Administração da Absolar, Ronaldo Koloszuk.

Já para o presidente da associação, Rodrigo Sauaia, o Brasil tem recurso solar abundante e condições privilegiadas para se tornar uma liderança mundial na área. “Com amplo apoio de mais de 90% da população brasileira e despertando o interesse de empreendedores e líderes do poder público, a fonte solar agrega inúmeros benefícios socioeconômicos, estratégicos, ambientais e energéticos ao País”, conclui Sauaia.



Mais Notícias FOTOVOLT



Eletrotec 2022 terá conferência sobre normalização e sete mincursos

Participantes conhecerão como estão os trabalhos de revisão das normas de arranjos fotovoltaicos, de requisitos de sistemas FV conectados, de instalações c.a. de baixa tensão e de proteção contra raios.

05/08/2022


Módulos grandes e de alta potência registram expansão acelerada

Tecnologias acima de 600 W começam a se tornar padrão, assim como células solares de 210 mm.

04/08/2022


Bahia vai regulamentar lei de incentivo à solar FV

Governo prometeu decreto para instituir política estadual prevista em lei de 2018.

04/08/2022