O estado da Paraíba anunciou dois investimentos privados importantes ligados à energia solar fotovoltaica. O primeiro é uma fábrica de módulos fotovoltaicos, da Balfar Solar, em João Pessoa, e o segundo, o complexo solar Santa Luzia, do grupo Rio Alto, nos municípios de Santa Luzia e São Mamede, de 1,6 GW de capacidade instalada. Segundo projeção do governo paraibano, os empreendimentos devem movimentar R$ 4,17 bilhões e gerar, de imediato, mais de 5100 empregos diretos e indiretos. 

A fábrica de módulos solares tem previsão de entrada em operação em janeiro de 2022 no distrito industrial de João Pessoa, em área de construção de 18 mil m2. São previstos investimentos iniciais na ordem de R$ 70 milhões, com expectativa de faturamento de R$ 160 milhões no primeiro ano de operação. O grupo Balfar prevê uma produção de mais de 150 mil módulos solares por ano, de modelos com potências de 340 a 450 Wp, gerando 100 empregos diretos e 3 mil indiretos.

Já o complexo solar Santa Luzia terá 28 usinas de 58 MWp cada, totalizando 1,6 GW de capacidade, em uma área de 1,7 mil hectares. A previsão inicial de investimentos é de R$ 4,1 bilhões, com a geração de mais de 2 mil empregos na região. De acordo com o grupo Rio Alto, serão instaladas 1,3 milhão de placas solares, 10,8 mil seguidores solares e 3,7 mil inversores do tipo string. O início das obras está previsto para julho deste ano, com previsão de início de entrega dos parques para janeiro de 2023. O grupo tem também na Paraíba o complexo solar de Coremas, no município de mesmo nome.



Mais Notícias FOTOVOLT



GD solar manteve crescimento e estabilidade de preços no 1º semestre

Mesmo com alta no custo dos equipamentos, geração distribuída continua a crescer em ritmo forte no País, aponta estudo da consultoria Greener.

23/09/2021


Shell Energy investirá R$ 3 bi no Brasil, principalmente em solar

Empresa também vai destinar parte do montante a energia eólica, gás natural e certificados I-REC, entre outros produtos.

23/09/2021


Fonte solar FV tem 32,25 GW cadastrados para o leilão A-5

Com 835 projetos cadastradas, fonte só perde em potência ofertada para as térmicas a gás natural.

23/09/2021