Pesquisadores da Universidade Nacional de Pusan, da Coreia do Sul, desenvolveram uma nova linha de células solares dobráveis de perovskita. A ideia do trabalho foi permitir a integração da geração solar fotovoltaica em telefones celulares, janelas, veículos ou dispositivos internos, o que é muito difícil com os materiais condutores tradicionais, sem muita flexibilidade.

Para alcançar o objetivo, os pesquisadores desenvolveram um material condutor fino, flexível, transparente e resiliente para suportar a pressão de dobra em um raio muito pequeno, mantendo sua integridade e outras propriedades desejáveis. O material criado pode se sujeitar a deformações com raios de dobramento de até 0,5 mm, índice muito superior ao comumente obtido com os tradicionais substratos de vidro ultrafinos e óxidos de metal condutores transparentes, que apesar de flexíveis não têm a propriedade dobrável.

Uma equipe de cientistas de vários países, coordenada pela universidade coreana, encontrou a solução — cujo resultado foi publicado na revista científica “Advanced Science” — na tecnologia de filmes de nanotubos de carbono de parede única (SWNT), com alta transparência e resiliência mecânica, nos quais os espaços vazios dos nanotubos foram preenchidos com um substrato de poliimida (PI). Essa alteração no nanofilme (dopagem química) foi necessária para evitar que os filmes aderissem, no momento da dobra, à superfície do substrato do dispositivo revestido com a célula.

Para garantir o alto desempenho, foi preciso também revestir quimicamente o material resultante para aumentar sua condutividade. Foram introduzidas pequenas impurezas (neste caso, elétrons retirados do óxido de molibdênio) na camada dos nanocompósitos. Com isso, a energia necessária para que os elétrons se movam pela estrutura é menor e, portanto, mais carga pode ser gerada para uma determinada quantidade de corrente.

O protótipo resultante excedeu as expectativas da equipe, segundo comunicado da universidade de Pusan. Com apenas 7 micrômetros de espessura, o filme composto exibiu resistência à flexão, quase 80% de transparência e uma eficiência de conversão de energia de 15,2%, que seria a mais alta alcançada em células solares usando condutores de nanotubos de carbono.

Para ler o artigo original, com o título “Células solares de perovskita dobráveis ​​usando condutor de poliimida ultrafina incorporada a nanotubo de carbono”, em inglês, acesse https://doi.org/10.1002/advs.202004092.



Mais Notícias FOTOVOLT



Energia solar fotovoltaica ultrapassa 8 GW no Brasil

No total, fonte já trouxe mais de R$ 40 bilhões em novos investimentos ao País e gerou mais de 240 mil empregos acumulados, segundo a Absolar.

04/03/2021


Nextracker vai fornecer rastreadores para complexo Janaúba

Acordo prevê 830 MW em equipamentos para o complexo da Elera de 1,2 GWp

04/03/2021


Webinar discute o trabalho feminino na área de energias renováveis

Especialistas do Brasil e do exterior vão debater a participação as mulheres na grande expansão de empregos prevista até 2050.

04/03/2021