Um estudo da organização britânica sem fins lucrativos TransitionZero apontou que já é muito mais vantajoso fazer a transição energética do carvão para as energias renováveis com armazenamento de baterias do que para o gás natural. A revelação faz parte de índice que rastreia o preço do carbono necessário para a transição em 25 países, batizado de Índice de Preço do Carvão para o Carbono Limpo (C3PI), e cuja última versão foi divulgada pela organização em 10 de maio.

De acordo com o índice, foi constatado que o preço do carbono necessário para incentivar a mudança de carvão para energia renovável e armazenamento de baterias está em uma média de US$ 62/tCO2 em 2022, comparado a US$ 235/tCO2 da mudança para o gás atualmente. Vale acrescentar, porém, que o gás fóssil tem registrado preços recordes no mundo, sob a influência principalmente da Guerra da Ucrânia.

A organização considera o dado relevante porque, historicamente, o gás natural tem sido considerado a ferramenta principal de transição energética para a economia de baixo carbono, por ter intensidade menor do que o carvão entre as alternativas fósseis, abordagem que poderia ser abandonada por conta do atual preço do carbono. O cenário apontado pelo estudo favoreceria a meta de emissões líquidas zero da Agência Internacional de Energia (AIE) para cumprimento do Acordo de Paris, que estabelece para 2035 o abandono da geração de energia a carvão ou a gás fóssil nas economias avançadas e globalmente até 2040.

O índice utilizado pelo estudo da TransitionZero é um projeto de dados abertos que utiliza o preço do carbono como base para viabilizar a transição energética para, principalmente,  as fontes eólica onshore e solar fotovoltaica, ambas com armazenamento de baterias para “retirar” o caráter intermitente de suas gerações. O preço do carbono agora favorável, na avaliação do estudo, tem relação também com a alta queda no custo da energia renovável, que diminuiu 99% desde 2010.

"Apesar de algumas variações regionais, nossa análise mostra uma clara tendência deflacionária no custo de mudar da eletricidade do carvão para a eletricidade renovável e põe em questão os 615 GW de gás e 442 GW de carvão propostos e em construção globalmente”, afirma Matt Gray, cofundador e analista da TransitionZero.

É bom ressaltar que o custo da troca de carvão para renováveis no Brasil não foi analisado pela pesquisa. Isso porque o carvão tem papel residual na matriz elétrica brasileira. Ao mesmo tempo, porém, o Brasil é o terceiro país do mundo no investimento em infraestruturas de gás na atualidade, segundo análise recente do Global Energy Monitor, com perspectiva de aumento, dada por exemplo a possibilidade de ser incluída no Projeto de Lei 414/21, de modernização do setor elétrico, a determinação de investimentos de 8 GW em novas termelétricas a gás.

Para ler o estudo, acesse www.transitionzero.org/blog/fuel-switching-coal-to-clean.



Mais Notícias FOTOVOLT



Coppe inaugura ilha de policogeração com base na solar FV

Sistema no instituto de pesquisa da UFRJ vai estudar produção conjunta de energia solar fotovoltaica, água destilada, biocombustível, frio e calor.

27/05/2022


Webinar de FotoVolt-EM ensina a “curar” usinas fotovoltaicas

As patologias das instalações solares FV e como saná-las serão assunto de três especialistas na próxima quinta-feira.

27/05/2022


Programas ampliam uso de GD solar em bares e restaurantes

O aplicativo iFood e a cervejaria Ambev estimulam adesão de estabelecimentos à geração distribuída.

26/05/2022