Acordos de fusões e aquisições (M&As, em inglês) no setor de energias renováveis no Brasil somaram investimentos de R$ 49,4 bilhões nos últimos nove anos, aponta estudo da consultoria CELA - Clean Energy Latin America. Elaborado a partir de pesquisas e com a contribuição de competidores do mercado, o relatório mapeou 52,38 GW em projetos e empresas transacionadas no período de 2014 a 2023.

Com a análise agregada de 193 transações, que envolvem a fonte eólica e a solar centralizada e a minigeração solar distribuída (até 5 MW), o relatório demonstra que, entre 2014 e 2023, houve um aumento de mais de 400% no número de operações mapeadas e crescimento de mais de oito vezes na capacidade total negociada em GW. Apenas nos últimos 24 meses, entre 2022 e 2023, foram mapeadas mais de 60 transações, totalizando aproximadamente R$ 25 bilhões e uma capacidade de 30 GW.

“A análise do total de transações anualmente por fonte de energia e ambiente regulatório mostra claramente que os últimos nove anos registraram presença crescente de M&As. Destaca-se a presença mais intensa da geração centralizada de 2014 a 2019, o que se deve, em parte, às iniciativas governamentais voltadas para a popularização das energias renováveis, como os leilões de energia renovável”, disse a CEO da CELA, Camila Ramos.

Segundo a CEO, de 2020 até 2023 o volume de transações se intensificou, principalmente por conta do crescimento dos acordos na área de geração solar distribuída. “Nesse período houve um reconhecimento do potencial de crescimento e escalabilidade da GD, sobretudo pelas regras mais vantajosas para tais projetos até o final de 2023”, disse. No período dos nove anos, em número de transações, a solar, incluindo GD e GC, foi o destaque, com cerca de 124 operações realizadas, segundo o estudo.

Já em volume financeiro transacionado, os projetos centralizados são o destaque, principalmente os da fonte eólica, em razão do tamanho dos empreendimentos e da potência instalada. Do total de R$ 49,4 bilhões envolvidos nas transações no período de 2014 a 2023, a fonte eólica respondeu por R$ 34,8 bilhões (31,2 GW em projetos), contra R$ 8,68 bilhões da solar centralizada (15,2 GW) e R$ 2,10 bilhões (910 MW) da GD solar.

 O relatório completo pode ser acessado via o link https://cela.com.br/ma/



Mais Notícias FOTOVOLT



Audiência pública vai debater papel social da energia solar

Deputado sugere o debate na Câmara dos Deputados, que deve abordar políticas de garantia de acesso e eficiência energética, aí incluída a geração fotovoltaica.

23/05/2024


Primeira cooperativa de solar em favela do Brasil dobra de tamanho

Com apoio da TotalEnergies, iniciativa também instalou usina solar em ONG que assiste jovens e adultos em situação de vulnerabilidade.

23/05/2024


Luz Para Todos usa solar para chegar a mais de 150 mil consumidores

Programa federal de universalização de energia elétrica tem meta de beneficiar 2 milhões de pessoas até 2026, com solar e conexão à rede de distribuição.

23/05/2024