A Copel - Companhia Paranaense de Energia iniciou a implantação no dia 9 de setembro de uma rede de distribuição de energia inteligente, pela qual unidades consumidoras de 151 municípios, em uma primeira etapa do programa, receberão medidores digitais que se comunicarão diretamente com a central de operação da concessionária.

Os municípios dessa fase, que envolve investimento total de R$ 820 milhões, são das regiões leste, centro-sul, sudoeste e oeste do Paraná. Segundo a distribuidora, a tecnologia adotada promete reduzir o tempo de desligamento provocado por intempéries e por outros fatores externos ao sistema. Além disso, será possível a leitura de consumo à distância e o cliente passará a ter autonomia para monitorar seu consumo de energia em tempo real.

A rede de distribuição automatizada atenderá nessa etapa 4,5 milhões de habitantes, em 1,4 milhão de unidades consumidoras residenciais e empresas urbanas e rurais. Segundo a Copel, quando implementada será a maior rede inteligente do Brasil, em um modelo que já existe em países como os Estados Unidos e o Japão.

Segundo o diretor presidente da Copel, Daniel Pimentel Slaviero, a tecnologia também reduzirá o custo operacional da companhia, com melhoria na qualidade do fornecimento de energia.

Para ser implementada, serão utilizados sensores e dispositivos de controle à distância para permitir o religamento automático da rede em caso de interrupções de fornecimento. Caso o religamento não seja imediato, segundo a Copel, será possível a detecção de forma mais rápida para que o centro de operação tenha subsídios técnicos para solucionar o problema.

O sistema inteligente permite que, ao haver necessidade de intervenção de técnicos na rede, o centro de operação tenha a informação sobre o ponto exato que gerou a queda de energia. Isso elimina a necessidade de uma equipe percorrer toda a rede afetada para identificar o local, fazendo com que o tempo para o restabelecimento da energia diminua. A nova rede contará ainda com reguladores de tensão automáticos.

Além disso, a leitura do consumo será online e os clientes poderão acompanhar a curva de consumo pelo telefone celular, em tempo real, por meio do aplicativo da Copel. Com a avaliação de todos os pontos de consumo do sistema de distribuição em tempo real, será possível, para a distribuidora, identificar áreas de perdas e furtos de energia.

No futuro, segundo a Copel, será possível integrar outros serviços ao sistema, como a microgeração distribuída, tecnologias de armazenamento de energia, iluminação pública e abastecimento de carros elétricos.

Para chegar a essa fase real, a Copel opera desde 2018 um sistema piloto na cidade de Ipiranga, que envolve 5 mil unidades consumidoras urbanas e rurais do município. Como resultado da experiência, a duração dos desligamentos de energia diminuiu em 52% na comparação entre os anos de 2018 e 2019.

Nessa primeira fase, está previsto o aporte de R$ 252 milhões para incluir 462 mil unidades consumidoras, de 73 cidades, com implementação esperada até o segundo semestre de 2022. No começo de 2021, uma nova licitação desembolsará mais R$ 568 milhões para atender mais 78 municípios, com 1 milhão de unidades consumidoras, com implantação a partir do segundo semestre de 2021.



Mais Notícias EM



Abradee vai ao STF contestar leis municipais e estaduais

Associação das distribuidoras já entrou com ações de inconstitucionalidade contra 28 leis que invadem competência federal para regular

30/10/2020


Pesquisa quer nacionalizar geração a hidrogênio

Projeto liderado pela AES Tietê visa criar eletrolisador e kit para tornar híbridos os geradores a diesel

30/10/2020


Novas usinas a biogás no Rio de Janeiro

Investimento do grupo Gera para geração distribuída utiliza biogás de aterros e uma das usinas terá energia compensada pela Vivo

30/10/2020