A Atom Power teve a segunda geração de seu produto Atom Switch recentemente incluída na lista UL 489I, de disjuntores de estado sólido aprovados pela Underwriters Laboratories (UL). A segunda geração do também chamado “disjuntor digital”, que se destina a aplicações comerciais e industriais, emprega módulos de potência de carboneto de silício (SiC) proprietários da empresa, os quais dobram o desempenho do dispositivo em comparação com o modelo anterior (lançado no ano passado), garante a Atom. Os módulos de SiC (modelos SWXFT100CPM e SWXFT50CPM) são reconhecidos pela UL conforme a UL 1557.

Fundada em 2014, a startup sediada em Charlotte, Carolina do Norte, promete “mudar a maneira como usamos a eletricidade”, permitindo que os usuários alternem fontes de energia (por exemplo, da rede elétrica para energia solar) de forma transparente, gerenciem o consumo e eliminem os riscos inerentes às chaves mecânicas, usando semicondutores para controlar digitalmente o fluxo de corrente. Os disjuntores termomagnéticos levam alguns milissegundos para atuar quando a corrente excede um nível limite. Já o equivalente digital da Atom Power atua em microssegundos, sendo até 3000 vezes mais rápido, afirma a empresa. Cada dispositivo é autônomo, com seu próprio firmware e identidade, permitindo que o usuário modifique digitalmente as principais características do disjuntor, como disparo instantâneo ou retardo curto/longo.

De acordo com a fabricante, trata-se do único disjuntor que pode acionar motores com partida suave (soft-start) e reduzir o risco de arcos elétricos de baixa impedância. São disponíveis modelos bipolares de 50 e 100 A, e tripolares de 50, 100, 225 e 400 A. As aplicações incluem controle de motores, instalações críticas, carregadores de veículos elétricos de alta densidade, chaves de transferência, recursos de energia distribuídos (REDs) e qualquer local que exija comando remoto.

A linha de produtos da Atom Power inclui os disjuntores digitais, painéis de distribuição e software, oferecendo capacidades de interrupção de até 150 000 A.  O painel abriga diversos disjuntores digitais e os conecta em rede, e o software de interface de usuário permite controle e ajustes, como abrir e fechar disjuntores digitalmente, alterar características tempo x corrente, renomear dispositivos e até habilitar a infraestrutura elétrica para tomadas de decisão por inteligência artificial. Por meio de um aplicativo simples, esses recursos são acessáveis a partir de qualquer dispositivo e de qualquer lugar, garante a empresa.

No mês passado, a Atom Power levantou US$ 17,8 milhões em uma rodada de captação de financiamento Série B (para startups já consolidadas), especificamente para alavancar a aplicação da sua tecnologia ao mercado avançado de mobilidade elétrica, o que inclui sistemas de carregamento de veículos. Em comunicado à imprensa anunciando a rodada de financiamento, o CEO da empresa, Ryan Kennedy, afirmou que o fato de a infraestrutura elétrica mundial permanecer amplamente analógica limita a adoção de energia renovável e da tecnologia do carro elétrico. O time de oito investidores contou com Rockwell Automation, ABB Technology Ventures e Valor Equity Partners (investidora na Tesla e SpaceX). Em uma rodada de Série A (para startups menos consolidadas) realizada em 2017, quando a empresa levantou US $ 3 milhões, a lista de investidores incluiu Siemens, Eaton e, novamente, ABB, três dos maiores fabricantes de disjuntores termomagnéticos do mundo.



Mais Notícias EM



Consumo de energia aumentou em março

Mesmo com agravamento da pandemia e maior distanciamento social, consumo foi 5,5% maior do que março do ano passado.

16/04/2021


Enel adota aplicativo para pagamento de conta de luz em SP

Distribuidora fechou parceria com a PicPay e concede créditos para primeiros consumidores que adotarem o pagamento digital.

16/04/2021


2W Energia capta recursos para erguer eólica

Financiamento da gestora Darby será para o complexo Anemus, no Rio Grande do Norte.

16/04/2021