O Cepel realizou na semana passada, nos laboratórios da Ilha do Fundão (RJ), ensaios para avaliação da compatibilidade eletromagnética (EMC, na sigla em inglês) e de harmônicos de corrente de um protótipo do ventilador pulmonar mecânico que está sendo desenvolvido pela Coppe/UFRJ em parceria com várias instituições. O aparelho deverá atender em caráter emergencial à demanda crescente dos hospitais por causa da pandemia da Covid-19. “Estamos na primeira fase do desenvolvimento de um ventilador de exceção para a Covid e é fundamental testar a sua compatibilidade eletromagnética”, diz Edson Watanabe, professor do Programa de Engenharia Elétrica da Coppe/UFRJ. Na segunda fase será ensaiado um protótipo mais definitivo para investigação clínica com maior número de pacientes. “O apoio do Cepel tem sido fundamental e agradecemos o trabalho voluntário de vários técnicos da casa”, ressaltou.

Os ensaios foram realizados no Laboratório de Iluminação do Cepel, que conta com uma área específica para ensaios de compatibilidade magnética. A pesquisadora Alessandra Souza, responsável pelo laboratório, explica que os testes estão sendo realizados em conjunto com o Inmetro. “No Cepel, estão sendo avaliadas as emissões de perturbações conduzidas e irradiadas, enquanto o Inmetro está realizando ensaios de imunidade do produto quanto a perturbações eletromagnéticas do ambiente”. Segundo ela, a ideia é nortear a equipe de desenvolvimento para uma solução rápida e segura, devido à urgência do combate à Covid-19.

Um ambiente hospitalar possui equipamentos e sistemas eletroeletrônicos sensíveis para suporte à vida e monitoramento e processamento de informações para aplicações médicas, os quais não podem falhar. A avaliação da EMC com ensaios em laboratório garante a adequada operação e a segurança desses equipamentos naquele ambiente eletromagnético, sem interferir no funcionamento de equipamentos ou sistemas próximos e sem sofrer interferências destes, as quais possam prejudicar seu próprio funcionamento. Os testes no Cepel foram realizados por Alessandra e pelo técnico Willians Felippe (na foto), segundo as normas ABNT NBR IEC CISPR 11 – “Equipamentos Industriais, Científicos e Médicos — Características das perturbações de radiofrequência — Limites e métodos de medição”, e IEC 61000-3-2 – “Electromagnetic compatibility (EMC) – Part 3-2: Limits – Limits for harmonic current emissions (equipment input current ≤ 16 A per phase).” Os testes serão realizados também na versão final do equipamento.

“Com a crescente quantidade de equipamentos eletrônicos utilizados em atividades diárias, o Cepel tem investido bastante na área de compatibilidade eletromagnética, realizando pesquisas e ensaios para avaliar o comportamento dos equipamentos em diferentes ambientes, além de participar das comissões que elaboram as normas e regulamentos relativos ao tema”, acrescenta Alessandra.

O ventilador que está sendo desenvolvido pelo Programa de Engenharia Biomédica da Coppe/UFRJ é um modelo mecânico que poderá para ser reproduzido em massa, de forma simples, rápida e barata, com recursos disponíveis no mercado nacional. Segundo consta da página do projeto na Internet (https://sites.google.com/peb.ufrj.br/ventiladorcoppe), o ventilador não conta com certificação pelos órgãos competentes, mas poderá ser usado em pacientes com Covid-19 como uma “última opção” de respirador.



Mais Notícias EM



Novo disjuntor de estado sólido é aprovado pela UL nos EUA

Empresa consolida segunda geração de seu disjuntor totalmente digital e faz investida pesada no mercado de mobilidade elétrica. Dispositivo pode ser até 3000 vezes mais rápido que os termomagnéticos.

03/07/2020


Conta COVID: lista dos bancos participantes chega à CCEE

Câmara aguarda declarações das distribuidoras interessadas em aderir à medida. Primeiros repasses devem ocorrer ainda este mês.

03/07/2020


Belo Horizonte já modernizou 95% de sua iluminação pública

Empresa parceira da PPP com a prefeitura pretende concluir a instalação de luminárias LED em 100% dos pontos de luz até outubro. Sistema conta com telegestão e telemedição. Contrato de operação é de 20 anos.

03/07/2020