Um relatório do Conselho Global de Energia Eólica (GWEC, na sigla em inglês) concluiu que a indústria eólica precisará treinar mais de 480 mil pessoas nos próximos cinco anos para atender à demanda do mercado global. Somente no Brasil, 3737 profissionais precisarão ser qualificados para sustentar a instalação programada de 9,7 GW adicionais de eólica onshore até 2025.

Segundo o GWEC, a tarefa não será difícil para o Brasil, pois em 2020 o mercado cresceu 101% e 13 prestadores de treinamento certificados formaram uma força de trabalho de mais de 5500 pessoas, segundo o documento. O relatório chama a atenção também para o nascimento do mercado eólico offshore no Brasil, que pode ter seu primeiro projeto de demonstração ainda na primeira metade desta década, com a efetiva entrada no mercado esperada para 2027. Os cálculos do estudo não levam em conta uma demanda de treinamento nessa modalidade.

Pelo relatório, mais de 70% da nova demanda global de treinamento de mão de obra virá dos 10 mercados analisados: Brasil, China, Japão, Índia, México, Marrocos, Arábia Saudita, África do Sul, Estados Unidos e Vietnã. Os mercados avaliados foram selecionados pela diversidade regional e por serem os maiores mercados eólicos do mundo, de alto crescimento ou emergentes.



Mais Notícias EM



Distribuidoras alertam sobre efeitos da MP 1031 nas contas de energia

Abradee critica inclusão dos “jabutis” na medida provisória que trata da capitalização da Eletrobras

18/06/2021


Claro inaugura usina de GD a biogás

Em Nova Iguaçu (RJ), miniusina de 4,65 MW utiliza biogás captado de aterro

18/06/2021


GM aumenta investimentos em veículos elétricos e autônomos

Montadora ampliou aportes para US$ 35 bilhões até 2025, com plano de se tornar líder na América do Norte

18/06/2021