A empresa francesa Nawa Technologies desenvolveu um novo eletrodo que promete aumentar consideravelmente a capacidade de armazenamento e o desempenho de todos os tipos de baterias, em especial as utilizadas em veículos elétricos. Para chegar à inovação, a empresa utiliza tecnologia de design patenteado de nanotubo de carbono alinhado verticalmente.

Também base de seus supercapacitores, a tecnologia, batizada de VACNT, é um eletrodo de carbono ultrarrápido que combina alta condutividade iônica – possível graças a uma nanoestrutura 3D – com alta condutividade elétrica e térmica, fornecida por seu arranjo de 100 bilhões de nanotubos por centímetro quadrado, todos alinhados verticalmente.

Segundo a empresa, essa nova geometria de eletrodo 3D pode resolver a grande maioria das restrições de desempenho enfrentadas pelos fabricantes globais de baterias, aumentando a energia da bateria em um fator 10, triplicando o armazenamento, quintuplicando o ciclo de vida e reduzindo o tempo de carregamento para minutos em vez de horas.

Atualmente, as principais limitações da energia da bateira, capacidade de armazenamento e ciclo de vida são o design e o material usados para o eletrodo. Com base em pós ineficientes, os eletrodos existentes têm baixa condutividade elétrica, térmica e iônica, junto com mau comportamento mecânico quando descarregados e recarregados. Além disso, esses materiais podem sofrer delaminação e degradação precoces.

Além disso, com os eletrodos respondendo por quase 25% do custo total da bateria e o mercado global de baterias de lítio atualmente valendo mais de US$ 35 bilhões, a Nawa acredita que seu novo design pode oferecer economias de custo significativas.

O eletrodo de carbono ultrarrápido é um sistema universal, disponível como primer para eletrodos existentes. Também está disponível como um eletrodo 3D completo (anodo ou catodo), onde a própria tecnologia serve como uma estrutura na qual o material de inserção de lítio pode ser revestido. A expectativa é que a tecnologia esteja comercialmente disponível, em produção, em 2023.



Mais Notícias EM



Abradee vai ao STF contestar leis municipais e estaduais

Associação das distribuidoras já entrou com ações de inconstitucionalidade contra 28 leis que invadem competência federal para regular

30/10/2020


Pesquisa quer nacionalizar geração a hidrogênio

Projeto liderado pela AES Tietê visa criar eletrolisador e kit para tornar híbridos os geradores a diesel

30/10/2020


Novas usinas a biogás no Rio de Janeiro

Investimento do grupo Gera para geração distribuída utiliza biogás de aterros e uma das usinas terá energia compensada pela Vivo

30/10/2020