A rede varejista Magazine Luiza vai utilizar energia solar para cobrir o consumo de 214 das suas mais de 1100 lojas no Brasil. Em contrato firmado com a francesa GreenYellow, do grupo Casino, três miniusinas, sendo duas no interior paulista e uma terceira no Paraná, injetarão energia na rede que será compensada na modalidade de autoconsumo remoto pelas lojas do grupo.

Com modelo de contrato de aluguel, operação e manutenção das miniusinas, a previsão de entrega de energia é de 9307,1 MWh por ano, montante que será compensado por unidades consumidoras da varejista em São Paulo e no Paraná. O investimento de R$ 18 milhões será com capital próprio da GreenYellow. Segundo seu presidente, Pierre-Yves Morgue, as obras estão em andamento e a previsão é de entrada em operação em 2021 das três instalações, construídas de forma dedicada ao Magazine Luiza. O dirigente não revela o prazo do contrato.

A maior miniusina será em Coroados (SP), com potência instalada de 2138 kWp, geração anual de 4092 MWh e com 6578 módulos solares. A de Florestópolis (PR) terá 1638 kWp de potência, geração de 3125 MWh/ano e 5040 módulos. Por fim, a de Riolândia (SP) foi projetada para 1085 kWp, 2090 MWh/ano e 3338 módulos. Ao todo, as três poderiam atender o consumo de 4,2 mil residências.

Com plano de investimento iniciado há cinco anos, segundo Morgue, a GreenYellow já conta com mais de 30 usinas fotovoltaicas, com potência total instadala de 100 MWp,  para atender 11 clientes no Brasil em contratos de geração distribuída.

Em cinco anos, foram investidos aproximadamente R$ 600 milhões pela empresa, sendo R$ 300 milhões para 1110 projetos de eficiência energética, e o restante em geração distribuição solar fotovoltaica. Para este ano, a previsão é investir mais R$ 200 milhões, atingindo aporte total de R$ 800 milhões, metade para cada segmento de atuação. “Para os próximos anos temos ainda a previsão de investir mais R$ 200 milhões ao ano ou mais, a depender dos projetos”, disse o executivo à FotoVolt.



Mais Notícias FOTOVOLT



Retirada de incentivos de GD reduziria investimentos em R$ 20 bi

Em dois cenários para 2030, com retirada parcial e total de incentivos, EPE identifica redução potencial de 11 GW e 19 GW da capacidade futura em comparação com cenário sem mudanças.

17/09/2020


Pontos quânticos começam a sair do papel em vidros solares

Semicondutores em escala nano geram células fotovoltaicas transparentes, que podem ser usada em vidro de janelas e fachadas.

17/09/2020


Cepel instala tecnologias para analisar redes inteligentes com FV

Com bancadas HIL e de avaliação de conformidade, o centro de pesquisas pretende contribuir na definição de funções avançadas de equipamentos como inversores fotovoltaicos. Microrredes também estão no escopo.

17/09/2020