No dia seguinte à aprovação pelo Senado Federal, o Projeto de Lei (PL) nº 5829/2019, que cria o marco legal da microgeração e minigeração distribuída no Brasil, foi aprovado pela Câmara dos Deputados nesta quinta-feira, 16 de dezembro. O texto retornou do Senado com uma série de emendas ao que havia sido aprovado pela Câmara em agosto, mas o deputado Lafayette de Andrada, relator da matéria, apresentou relatório rejeitando quase todas as emendas e obteve aprovação unânime. O parlamentar conseguiu incluir a matéria na pauta da sessão extraordinária do plenário da Câmara de ontem. A previsão anterior era de que a casa só voltasse a analisar a matéria em fevereiro.

O texto aprovado estipula uma transição para a cobrança, aos micro e minigeradores de energia elétrica, dos encargos e tarifas de uso dos sistemas de distribuição. Até 2045, mantém-se a situação atual (compensação total das dos componentes da tarifa) para as unidades com sistemas já conectados e para as que pedirem acesso às distribuidoras no prazo de até 12 meses contados da publicação da lei. O projeto também prevê transição de sete a nove anos com o pagamento escalonado da Tarifa de Uso do Sistema de Distribuição (TUSD fio B) por aqueles que começarem a geração depois de 12 meses da nova lei. Mas, segundo a vice-presidente de geração distribuída da Absolar - Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica, Bárbara Rubim, análises feitas pela entidade mostram que mesmo o impacto dessa cobrança no prazo de retorno dos projetos será pequeno, principalmente para o segmento de microgeração. O Conselho Nacional de Política Energética e a Aneel terão 18 meses, a partir da publicação da lei, para estabelecer as diretrizes e a valoração dos custos e benefícios da geração distribuída a serem implementados após o período de transição.

A única emenda introduzida pelo Senado que foi mantida pela Câmara permite que as unidades flutuantes de geração fotovoltaica instaladas sobre reservatórios hídricos e lagos possam ser divididas em unidades que se enquadrem no limite máximo de potência instalada de microgeração ou minigeração distribuída. O texto aprovado ontem seguiu para o presidente da República, que tem até 15 dias úteis para sancionar o projeto, transformando-o em lei. Eventuais vetos serão reanalisados pelo Parlamento.


 



Mais Notícias FOTOVOLT



Coppe inaugura ilha de policogeração com base na solar FV

Sistema no instituto de pesquisa da UFRJ vai estudar produção conjunta de energia solar fotovoltaica, água destilada, biocombustível, frio e calor.

27/05/2022


Webinar de FotoVolt-EM ensina a “curar” usinas fotovoltaicas

As patologias das instalações solares FV e como saná-las serão assunto de três especialistas na próxima quinta-feira.

27/05/2022


Programas ampliam uso de GD solar em bares e restaurantes

O aplicativo iFood e a cervejaria Ambev estimulam adesão de estabelecimentos à geração distribuída.

26/05/2022