A Surfix, empresa especializada em soluções de tecnologia, de Recife, PE, que tem 17 anos no mercado, está completando um ano de operação de seu data center com resultados acima da expectativa. Com cerca de 150 clientes atendidos, de diversos segmentos do mercado, a empresa prevê um crescimento de cerca de 200% no faturamento até o final de 2020 em relação ao início deste ano.

Apesar da redução nos negócios em abril, como resultado da pandemia da Covid-19, a partir de maio os negócios voltaram com força e vêm se mostrando crescentes a cada mês. “Os colaboradores aderiram ao home office e as empresas perceberam que não precisavam de tanto espaço físico. Começaram a reduzir e entregar espaços locados. As que tinham data center próprio passaram a buscar um local para hospedar seus servidores, com segurança e disponibilidade”, diz Dárcio Macêdo Filho, diretor comercial e de relações institucionais e um dos sócios da Surfix Data Center.

Segundo ele, o data center da Surfix é o primeiro em Recife focado em serviços de hosting, colocation, segurança e nuvem totalmente projetado e construído conforme especificações de redundância de um Tier III. “Estamos em processo de negociação para buscarmos a certificação no segundo semestre, assim que passar este período mais crítico da Covid”, diz. O data center está instalado em um edifício de três andares no bairro da Boa Viagem, região nobre da cidade. O empreendimento possui cerca de 2000 m2, sendo 1200 m2 de área construída. É montado em piso elevado com espaço para 48 racks, com projeto de ampliações futuras. “Quando planejamos o nosso data center, já considerávamos a certificação. Então toda a infraestrutura foi montada com este propósito”, afirma o empresário. Prova do elevado nível de redundância e estabilidade é que a instalação completou um ano de operação sem nenhuma interrupção até hoje.

Com uma subestação própria e carga de 1000 kVA, grupos geradores de 750 kVA, UPS e bancos de baterias, o data center conta com interconexão com operadoras de telecomunicações e, por este motivo, uma grande cobertura de rede de fibra óptica. A empresa também oferece serviços de valor agregado para clientes corporativos, como telefonia digital, Internet e LAN to LAN, além de serviços de segurança e de IOT.

A Surfix iniciou as atividades como provedor de Internet, em meados de 2003. Em 2016, vendeu sua carteira de clientes para uma empresa de Pernambuco, já com o objetivo de se especializar no mercado de data centers. “Detectamos um grande potencial de negócios na região pois não havia em Recife nenhum data center com o padrão Tier III”, conta.

A experiência adquirida no passado como provedor de Internet tem sido fundamental para a Surfix ampliar seus negócios. “Temos agilidade e proximidade com os clientes. Possuímos uma equipe altamente qualificada e pronta para entender suas necessidades e ajudá-los nos processos de transformação digital e migração para a nuvem”, diz.

Embora esteja inserido no mercado pernambucano, o data center está pronto para atender clientes em todo o Brasil. A empresa já vislumbra negócios nos estados vizinhos e vem traçando um roadmap de expansão.  “Os clientes precisam de backup e redundância de suas instalações. Com parcerias e swaps com operadoras, podemos atender qualquer lugar do Nordeste e do Brasil também”, diz Macêdo.

De acordo com ele, a empresa está se credenciando para ser um dos data centers mais competitivos do Nordeste. Na região, só há dois data centers com certificação Tier III, da Ascenty e da Angola Cables, ambos em Fortaleza, CE. “A Surfix será o terceiro”, finaliza.



Mais Notícias RTI



Intelbras anuncia aquisição da catarinense Khomp

Empresa está investindo R$ 460 milhões para acelerar expansão nos próximos 18 meses.

12/04/2021


Link Cariri quer formar times de mulheres para instalação de fibra em campo

Serviços incluem suporte técnico e fusão de fibra.

12/04/2021


Lumiun desenvolve filtro de DNS para provedor em modelo SVA

Provedor pode oferecer ao assinante controle de acesso à Internet com benefícios fiscais.

12/04/2021