A Hostfiber, operadora com sede em São Paulo especializada em links dedicados para o mercado corporativo, registrou um crescimento significativo no último ano. Impulsionada pela pandemia, a demanda veio de provedores de Internet e empresas em busca de upgrade de capacidades a custos competitivos. “Muitos clientes eram atendidos pelas operadoras incumbentes, que não conseguiam oferecer as condições que precisavam. Percebemos que havia uma boa oportunidade de negócio. Decidimos abraçar esse mercado e criar parcerias de longo prazo”, diz Marcelo Safatle, CEO da Hostfiber. A decisão mostrou-se acertada. “Janeiro começou bem e as vendas continuam aquecidas. Estamos muito otimistas”, afirma.

Segundo ele, a Hostfiber aproveitou o momento para renegociar contratos e captar novos clientes oriundos da migração de operadoras. Dos contratos firmados durante a pandemia, 79% são demandas que já estavam sendo atendidas pelas operadoras tradicionais. Desse montante, 38% migrou por redução de custo e 41% não reduziu o orçamento, mas negociou aumento de capacidade ou de pontos atendidos.

“Muitos provedores nos procuraram buscando dobrar a capacidade dos links imediatamente, mas com custos competitivos, uma vez que muitos não dispunham de recursos financeiros em caixa devido a problemas de inadimplência. Decidimos apostar nessas empresas, que por sua vez conseguiram atender o aumento da base de assinantes e hoje mantêm forte ritmo de expansão”, conta.

No mercado há 10 anos, a Hostfiber é uma empresa 100% nacional. Conta com uma rede própria de fibra de 5000 quilômetros, presente na região metropolitana de São Paulo e em 120 cidades do interior paulista. Entre os serviços mais procurados estão o de link IP e LAN to LAN. “Trazemos provedores de todo o estado para o PTT e principais data centers de São Paulo e os levamos para o interior para se conectarem às empresas dos clientes”, diz o executivo.

Além dos provedores, o mercado corporativo também teve alta em 2020. A adoção do home office em larga escala, somada à aceleração da transformação digital, colocou os links de Internet no foco da atenção dos gestores de TI. “Com a chegada da pandemia no Brasil, houve uma antecipação dos projetos de transformação digital, atingindo patamares que só seriam registrados daqui a alguns anos. Com o passar dos meses, esses projetos foram sendo concluídos e aumentando a demanda por conectividade, levando as atenções a esses contratos”, relata.

Entre os principais clientes da Hostfiber estão empresas do mercado financeiro, companhias aéreas, concessionárias de rodovias e governo, como  a Receita Federal, que contratou links de alta capacidade para interligação de pontos de atendimento. Um outro importante projeto foi para o Estádio Cícero Pompeu de Toledo, São Paulo Futebol Clube, que conta com um backbone óptico da Hostfiber para transmissão dos jogos e shows. A infraestrutura aborda por duas rotas distintas e entrega circuitos dedicados de 1 Gbit/s na sala de imprensa do estádio, para transmissão ao vivo dos shows e eventos esportivos pelas redes de televisão e portais web.

Para 2021, a Hostfiber pretende ampliar a capilaridade da rede em todo o estado de São Paulo e investir no aumento de capacidade de transporte com sistemas DWDM. “É provável que esse movimento de reposicionamento do mercado continue intenso durante os próximos meses, seguindo essa mudança no patamar de consumo de capacidade e as revisões orçamentárias de infraestrutura de TI”, finaliza o executivo.



Mais Notícias RTI



Silica Networks anuncia projeto de cabo submarino de 1026 km até a Antártica

Filiais do Brasil, Argentina e Chile participam do estudo do projeto que liga o extremo sul do continente ao Polo Sul.

19/04/2021


Sanepar estuda compartilhamento de rede de esgoto com fibra óptica

Ideia é aproveitar a capilaridade dos 38.464 km de tubulação no Paraná.

19/04/2021


Comba Telecom desenvolve solução Open-RAN multibanda e multi-RAT

Plataforma destina-se a frequências de 1800 e 2100 MHz.

19/04/2021