A SmartAcqua passou a fazer parte do rol de empresas de tecnologia e inovação que tiveram seus produtos qualificados e pré-aprovados para financiamento pelo BID - Banco Interamericano de Desenvolvimento. Assim, as companhias de saneamento públicas e privadas interessadas em investir na solução SmartAcqua, baseada em IA - Inteligência Artificial e machine learning voltada para gestão de perdas de água, poderão obter recursos mais facilmente para esse fim. “É mais um incentivo para que as empresas brasileiras consigam reduzir substancialmente as perdas de água no Brasil”, destaca Hélio Samora, CEO da SmartAcqua.

Na avaliação do executivo, a pressão para que empresas do setor tratem com maior seriedade o problema das perdas de água tenderá a aumentar não apenas para que cumpram o que determina o novo marco regulatório do saneamento, mas principalmente pela crise hídrica. “São Paulo, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Goiás e Paraná estão em alerta para a pior seca em 111 anos que, segundo os meteorologistas, começou em junho e deverá se estender até setembro deste ano, devido ao pouco volume de chuvas previsto para o período”, alerta Samora.

A utilização de tecnologias para melhorar a infraestrutura, que inclui o saneamento básico, também está no radar do BID. No relatório publicado no ano passado, Agustín Aguerre, gerente do departamento de Infraestrutura do BID, afirmou: “Nos concentramos por tempo demais em tijolos, canos e outros ativos tangíveis. A tecnologia digital permite compreender melhor como as pessoas usam as estradas, consomem eletricidade e água. Nossa infraestrutura futura será mais barata, mais sustentável e servirá melhor aos cidadãos”, diz.

Samora destaca que é fundamental que os gestores das empresas públicas e privadas de saneamento básico queiram mudar o panorama atual de perdas que estão em níveis inaceitáveis, e fazer a diferença. Para isso precisam mudar o mindset e investir na gestão inteligente e sistemática de seus processos ou continuarão perdendo muita água e dinheiro, além da relevância social.  “Uma das alternativas para modificar esse status quo é investir em contratos de performance e na implementação de tecnologias, como os softwares de gestão que permitem identificar onde e por que as perdas ocorrem, para que o problema possa ser sanado no menor tempo possível”, finaliza.



Mais Notícias HYDRO



Alagoas e BNDES lançam edital para nova concessão de saneamento

Projeto envolve 61 municípios, divididos em dois blocos.

20/09/2021


Fluoretação da água passa a ser 100% automatizada em Cuiabá

Projeto envolve 11 ETAs e permite melhor controle dos níveis de flúor.

21/09/2021