O grupo Energisa iniciou dia 16 de fevereiro as operações da primeira etapa de seu terceiro empreendimento de transmissão, o lote 19, situado no Pará, cujo trecho energizado recebeu R$ 80 milhões em investimentos e tem RAP (receita anual permitida) de R$ 3,11 milhões. O lote faz parte de um total de cinco que foram arrematados entre 2017 e 2020 e que foi adquirido em 2018 por uma receita anual permitida (RAP) total de R$ 36,1 milhões.

Esta fase do empreendimento da Energisa Pará Transmissora de Energia II (EPA II) inclui 72,3 quilômetros da linha de transmissão Xinguara II – Integradora Sossego (230 kV) e as ampliações nos pátios de 230 kV das subestações Xinguara e Integradora Sossego. 

O projeto atende o fornecimento de energia elétrica para o sudeste do Pará, o norte de Mato Grosso e o oeste do Tocantins – onde a Energisa controla duas distribuidoras (Energisa Mato Grosso e Energisa Tocantins). O trecho foi concluído com 25 meses de antecedência em relação ao prazo estabelecido pela Aneel por conta da sinergia entre essas obras e o empreendimento da Energisa Pará Transmissora de Energia I, concluída em novembro de 2020 e que permitiu a conexão ao Sistema Interligado Nacional (SIN) do município de Santana do Araguaia (PA), anteriormente atendido por uma usina termoelétrica. 

 Os outros dois empreendimentos concluídos são o lote 26 (Xinguara II – Santana do Araguaia), da Energisa Pará Transmissora de Energia I (EPA I), no sul do estado, que recebeu R$ 318 milhões em investimentos e foi concluído em novembro de 2020, com 16 meses de antecedência. Já o lote 3 (Rio Verde Norte – Jataí), da Energisa Goiás Transmissora de Energia I (EGO), entrou em operação em março, com antecipação de 17 meses e R$ 231 milhões investidos, marcando a entrada da Energisa no segmento de transmissão. 

Há ainda outros empreendimentos em andamento, com expectativa de conclusão de dois deles até 2022: a segunda etapa do Lote 19 do Leilão 02/2018, com investimento de cerca de R$ 400 milhões e RAP de R$ 33 milhões, o lote 4 do leilão 04/2018, entre a Bahia e o Tocantins (Energisa Tocantins Transmissora – ETT) e que inclui a construção de 772 quilômetros de linhas de transmissão. Os demais que estão no portfólio de projetos são o lote 11 do leilão 01/2020, no Amazonas, adquirido em dezembro por R$ 63 milhões de RAP, que inclui a assunção e renovação de 387 km de linhas de transmissão existentes e a construção de mais 21,12 km (incluindo um trecho subterrâneo), além de subestações.



Mais Notícias EM



Série de webinars EM discute a proteção em baixa tensão

A próxima apresentação, programada para 4 de março, quinta-feira, debaterá os tipos e as aplicações de dispositivos DR

01/03/2021


EDP investe em hidrogênio verde e baterias

Grupo português criou duas unidades globais de negócios para promover as tecnologias

26/02/2021


Quase 1 milhão não tem acesso à energia na Amazônia

Estudo do Iema identificou assentados, indígenas, quilombolas e moradores de unidades de conservação entre os afetados

26/02/2021