Para possibilitar o elevado crescimento da rede óptica, a Zamix decidiu, no final de 2019, investir na tecnologia DWDM capaz de realizar transmissões de alta capacidade em longa distância (entre cidades) e o backup de suas operações. O provedor conta com uma rede com mais de 4000 quilômetros de fibra óptica que cobre quase 100% dos municípios atendidos na região de Volta Redonda, RJ, como Resende, Vassouras, Mangaratiba, Valença, Barra do Piraí, entre outros, com exceção das áreas remotas e rurais. “Somos a primeira operadora da região a adotar a tecnologia GPON em redes FTTH e FTTA e uma das primeiras do Brasil, isso já em 2009. Hoje oferecemos planos de ultra banda larga de 100 Mbit/s até 1 Gbit/s sem franquia”, diz Fabio Lima, diretor da Zamix.

A decisão tomada no ano passado mostrou-se acertada e permitiu que a empresa enfrentasse com maior tranquilidade e segurança o aumento de demanda de novas ativações no período da pandemia, de mais de 30% ao mês.

A Zamix instalou a plataforma PSI-M 1830 da Nokia para espelhamento de suas 3 estações do backbone central de toda a operação situadas em Volta Redonda, ligadas por um anel metropolitano de 40 km. “A estação espelho é parte do plano de alta disponibilidade, onde os recursos utilizados nas conexões dos clientes são redundantes não apenas dentro da própria estação mas também replicados em outros sites, como também a saída para a Internet e todas as interconexões necessárias para manter os serviços funcionando sem interrupções. Se a unidade principal tem um problema, automaticamente o acesso é comutado para outra estação, de forma transparente para o assinante”, diz. O equipamento tem capacidade total de 1,6 Tbit/s, com oito canais de 200 Gbit/s cada. Dos quatro módulos disponíveis, dois estão ativados atualmente em cada estação.

Segundo o executivo, a pandemia acabou antecipando o plano de expansão da empresa, com a enorme procura de serviços e novos clientes. “O DWDM foi fundamental para passarmos essa fase com segurança”, diz.

A Zamix também instalou a plataforma DWDM OSN 9800 da Huawei de 40 canais de 10 Gbit/s para fazer o anel que interconecta as cidades atendidas.

Desde o início das operações em fibra, a Zamix sempre optou pelas tecnologias mais avançadas. Para o GPON, usa equipamentos de marcas Dasan Zhone, Huawei e Nokia. “Buscamos a confiabilidade das principais marcas do mercado mundial para colocarmos em nossas plantas. Isso mostra que o patamar de qualidade das redes das empresas regionais é equivalente ao das grandes operadoras”, diz.

Para o executivo, o apoio dos fabricantes é fundamental na adoção de novas tecnologias, com a discussão de projetos, certificação, implantação e treinamento do pessoal. “O DWDM está crescendo bastante, mas ainda é uma novidade para os provedores, que estão acostumados com as redes Ethernet. Principalmente para quem não tem expertise com esse tipo de produto, o suporte técnico é o que garante maior segurança. Numa virada de chave, quando troca a tecnologia, isso faz toda a diferença”, finaliza o diretor.



Mais Notícias RTI



Escolas estaduais na Bahia têm autonomia para contratação de provedores de Internet

Objetivo é reduzir custos e melhorar qualidade de acesso.

20/10/2020


NIC.br abre inscrições para nova turma de curso sobre sistemas autônomos

Aulas online serão realizadas de 9 a 13 de novembro.

19/10/2020


American Tower do Brasil ativa sua primeira planta solar

Iniciativa atenderá 100% do consumo de rede neutra de fibra óptica.

19/10/2020