O TJCE - Tribunal de Justiça do Estado do Ceará atua em todo o território estadual e decide, em segunda instância, todas as questões relativas à Justiça. Com a virtualização de mais de 1,1 milhão de processos judiciais pendentes, o tribunal observou um crescimento no volume de informações.

O primeiro passo para melhorar sua performance era aumentar a capacidade de armazenamento e processamento de dados, visando uma infraestrutura de TI capaz de absorver o impacto das mudanças tecnológicas e oferecer mais agilidade aos processos, além de possibilitar a migração de informações do sistema legado para o novo. O TJCE também precisava implementar processos judiciais digitais e atender a todas as 174 cidades do estado do Ceará, de forma a melhorar a prestação de serviço e, consequentemente, a experiência dos clientes em todo o estado.

Para sanar esses desafios, o Tribunal de Justiça recorreu à VMware, empresa com quem trabalha há mais de dez anos. A ferramenta escolhida foi o vSan, solução de hiperconvergência

para reestruturar seu ambiente de tecnologia, aumentando assim a capacidade de armazenamento e processamento de dados, além de possibilitar a automatização dos processos de TI, dando assim o primeiro passo para a adoção de um data center definido por software.

“Já trabalhávamos com a VMware e utilizávamos o vSphere e vCenter, porém precisávamos de uma solução para atender a esses novos desafios. Queríamos uma tecnologia que tivesse a mesma performance das plataformas que já conhecíamos, fosse de fácil implementação e possibilitasse a migração de dados. O vSan nos permitiu obter uma nova infraestrutura de TI, refletindo diretamente na melhoria do serviço público e experiência do usuário”, afirma Cristiano Carvalho, gerente de infraestrutura de TI do TJCE.

Hoje, todos os processos e gerenciamentos - internos e judiciais - são feitos virtualmente, conferindo mais capacidade de resposta e, consequentemente, melhor experiência ao usuário. Advogados, promotores e defensores acessam informações de forma mais rápida e transparente, além de garantir que os cidadãos acompanhem o andamento dos processos de qualquer lugar.

“Se um sistema cai, o outro assume imediatamente e a migração de dados é automática. Além disso, conseguimos reduzir o tempo de recuperação de informações de 48 horas para 4 segundos. O ganho foi enorme tanto para a equipe de TI, que passou a focar mais em soluções estratégicas, quando para o usuário final, que agora tem acesso aos processos por meio de diversos dispositivos, em qualquer lugar”, conta Carvalho.

As mudanças possibilitaram um aumento de 1700% na capacidade de armazenamento e a redução na complexidade do ambiente, que hoje roda 100% em tecnologia all flash, proporcionando ainda mais economia de energia elétrica. O órgão público agora planeja realizar a migração para a nuvem de todo o ambiente de homologação, além de aplicativos e sistemas, de forma a melhorar ainda mais os processos e todas as operações do TJCE.



Mais Notícias RTI



Silica Networks anuncia projeto de cabo submarino de 1026 km até a Antártica

Filiais do Brasil, Argentina e Chile participam do estudo do projeto que liga o extremo sul do continente ao Polo Sul.

19/04/2021


Sanepar estuda compartilhamento de rede de esgoto com fibra óptica

Ideia é aproveitar a capilaridade dos 38.464 km de tubulação no Paraná.

19/04/2021


Comba Telecom desenvolve solução Open-RAN multibanda e multi-RAT

Plataforma destina-se a frequências de 1800 e 2100 MHz.

19/04/2021