De acordo com o sócio líder de telecomunicações da KPMG no Brasil, Gustavo Massuia, o setor foi impactado pela interrupção do mercado causada pela covid-19, principalmente na orquestração para manter os serviços funcionando com um volume muito superior de tráfego de dados na rede. Isso fez, também, com que os executivos das grandes operadoras repensassem os investimentos, uma vez que os efeitos da crise prejudicarão os resultados das empresas, atingindo inclusive o Ebitda.
"Quando falamos do Brasil, os impactos gerados se referem, principalmente, à manutenção do funcionamento das operações, uma vez que esse é um serviço considerado essencial e que não pode sofrer interrupções, bem como um potencial aumento na inadimplência", analisa.
Confira, a seguir, os principais impactos da pandemia para o setor de telecomunicações segundo o sócio da KPMG:
● Aumento significativo da demanda por banda larga: Desencadeado principalmente pelo crescimento do home office, educação à distância, uso de serviços de streaming e entretenimento em casa, como shows através de lives via plataformas digitais (YouTube, Instagram, Tik Tok), consumo de filmes e séries, além de consumidores isolados, que passaram a se comunicar com amigos e familiares através de aplicativos como Zoom, Whatsapp, Teams, etc. Essas atividades direcionaram volumes grandes de tráfego para serviços de voz e dados (videoconferência, streaming, jogos, VPN e outros tipos de tráfego).
● Possível aumento da inadimplência: Deve desencadear numa diminuição das receitas, restrição de caixa e revisão de dívida, que podem atingir, especialmente, os pequenos provedores.
● Mobilidade: Os padrões de mobilidade mudaram radicalmente, uma vez que grande parte da população permanece em casa, cumprindo as regras de distanciamento social. Essas mudanças têm implicações tanto nos projetos e planejamentos de redes, mas também nos processos de gerenciamento operacional das operadoras.
● Tráfego de voz: No atual cenário, o tráfego de voz aumentou e os padrões também mudaram. Há um crescimento na utilização da telefonia fixa e, também, nos serviços de voz por Wi-Fi.
● Transmissão de conteúdo estático e de vídeo ao vivo aumentaram drasticamente: A Nielsen US estima que os minutos transmitidos pelas TVs americanas aumentaram 85% em relação a março de 2019. Já o fundador do Zoom, Eric Yuan, postou em um blog, no dia 3 de abril, que o Zoom tinha mais de 200 milhões de participantes diários em março, em comparação com um pico de 10 milhões em dezembro de 2019 - ou seja, há uma nova demanda significativa nas redes das operadoras de telecomunicações. Quando são observados os resultados da Netflix em comunicado divulgado no dia 21 de abril, 15,76 milhões de novos assinantes ingressaram à base da companhia apenas nos três primeiros meses deste ano.

● Diminuição dos conteúdos das TVs por assinatura: Vem acelerando o cancelamento das assinaturas e aumentando o tráfego nas redes de telecomunicações na entrega de conteúdo. Um levantamento do eMarketer estima que as residências que possuem TV a cabo contratada caíram 6,5% em 2019. Essa tendência pode aumentar à medida que mais consumidores experimentem aplicativos de streaming e reequilibrem os orçamentos devido ao aumento do desemprego, ou abandonem a TV por assinatura devido à perda de programação esportiva.
"Todas essas mudanças no comportamento do consumidor, e consequentemente do mercado, podem forçar uma reavaliação das principais estratégias e planos de investimentos, incluindo os planos de integração das redes, de conteúdo e projetos para as redes 5G. Por isso, muitas empresas de telecomunicações estão focadas nas questões de curto prazo, como, por exemplo, lidar com o fechamento das lojas próprias e de parceiros, identificar as ações para mitigar o impacto da pandemia, interrupções das assinaturas de clientes, realizar alterações nos planos de preços dos produtos e serviços e entender as principais mudanças regulatórias estabelecidas pela Anatel, através do programa “Manutenção do Brasil Conectado” para as operadoras brasileiras", conclui Ribeiro.



Mais Notícias RTI



Silica Networks anuncia projeto de cabo submarino de 1026 km até a Antártica

Filiais do Brasil, Argentina e Chile participam do estudo do projeto que liga o extremo sul do continente ao Polo Sul.

19/04/2021


Sanepar estuda compartilhamento de rede de esgoto com fibra óptica

Ideia é aproveitar a capilaridade dos 38.464 km de tubulação no Paraná.

19/04/2021


Comba Telecom desenvolve solução Open-RAN multibanda e multi-RAT

Plataforma destina-se a frequências de 1800 e 2100 MHz.

19/04/2021