A Wi2be, empresa brasileira focada no desenvolvimento, fabricação e comercialização de soluções wireless para transmissão de dados, com sede em Curitiba, PR, realizou uma pesquisa junto a 120 provedores de Internet de todo o país para ter um cenário mais preciso do mercado de banda larga diante da pandemia do Covid-19.

“Vivemos grandes incertezas, mas no mercado de Internet essas incertezas dão lugar a um alto crescimento da base de assinantes e à manutenção do plano de investimentos dos provedores”, diz Melissa Sereniski, coordenadora de vendas da Wi2be Tecnologia.

Segundo o levantamento, realizado via telefone pela equipe da Wi2be, 94% dos provedores ouvidos tiveram aumento real em novas assinaturas, com um crescimento médio de 36% de sua base de clientes. 44% dos entrevistados apontaram crescimentos acima de 30%. “Em alguns casos, chegaram a expressivos 200% e 300%”, diz Melissa.

A inadimplência, que em muitas conversas vinha se apresentando como uma ameaça ao caixa, parece não ter se concretizado. A inadimplência média foi de 13%, mas 62% compensaram com o aumento de novas assinaturas e 57% tiveram saldo positivo, ou seja, cresceram em receita quando comparadas as novas assinaturas com a perda de algumas mensalidades. 29% dos entrevistados não tiveram nenhuma inadimplência. “A base de clientes com inadimplência parece grande, mas os ganhos superam as perdas”, diz a executiva. No médio prazo, a notícia é ainda melhor, pois a tendência da inadimplência é de redução com a retomada das atividades pós-pandemia. E os novos assinantes, com hábitos digitais, tendem a permanecer na base de clientes.

69% dos entrevistados apontam intenção de investir, e destes, 83% têm planos concretos para investir em suas redes nos próximos 90 dias. “A intenção de investimento dos provedores reflete a conciliação entre os números positivos experimentados na prática nas últimas seis semanas e o que temos visto como tendência para o mercado de Internet”, afirma a coordenadora.

Segundo ela, o crescimento do setor é real. As oportunidades geradas pelas mudanças de hábito digital são concretas e devem se sustentar no longo prazo. “O que vimos em estudos de comportamento do consumidor e em previsões de economistas está se demonstrando de forma concreta no mercado brasileiro de Internet. Afinal, quando 94% dos provedores afirmam crescer em assinaturas e 69% reafirmam seus planos de investimento no curto prazo, a oportunidade deixou de ser esperada e passou a ser um bonde pronto para embarcar rumo ao lucrativo futuro das mudanças digitais”, finaliza.



Mais Notícias RTI



Testes em instalações de cabeamento óptico

Projeto de norma brasileira está em fase final de desenvolvimento.

13/07/2020


Live discutirá gestão de vendas para provedores

Como enfrentar os desafios atuais e pós-Covid nas empresas.

13/07/2020


Vertiv: mercado de infraestrutura continua aquecido

Para empresa, é fundamental garantir a continuidade das operações dos clientes.

13/07/2020