A Naxi, provedor com sede em Jaraguá do Sul, SC, lançou no final de novembro novos planos de Internet com velocidades até 6 Gbit/s simétricos para assinantes residenciais. “É a Internet mais rápida do Brasil”, diz o fundador e CEO Gustavo Stocco. Voltado para streamers, gamers, criadores de conteúdo e entusiastas de tecnologia, o serviço Atomic utiliza a tecnologia de XGS-PON oferecida pela Venko Networks, empresa brasileira com sedes nos EUA e Brasil, com infraestrutura baseada em microPlug OLT e dispositivos ONU com portas de 2,5 e 10 Gbit/s.

“O XGS-PON é uma excelente alternativa para quem quer investir em redes de alta capacidade, circuitos dedicados, Metro Ethernet e atender determinados condomínios e tipos de serviços”, diz Stocco. Fundada em 2009, a Naxi foi também a primeira a lançar serviços de 1 Gbit/s no norte de Santa Catarina, há cerca de dois anos, ao custo de um plano comum. Os combos começam com 1000 Mbit/s (a partir de R$ 149,99), passando por 2000 Mbit/s (R$ 299,99), 4000 Mbit/s (R$ 599,99) e 6000 Mbit/s (R$ 999,99), todos com serviços digitais já incluídos nos pacotes (SVA), como telefonia digital, proteção, música e streaming de vídeo.

“O XGS-PON é um grande salto tecnológico em relação ao GPON, sendo quatro vezes mais rápido no downstream e oito vezes no upstream”, diz Fabrício Goetz (foto), CRO e cofundador da Venko Networks. Fundada em maio de 2020 por profissionais de larga experiência no setor, a companhia oferece projetos e equipamentos XGS-PON, serviços NFV (como o SD-WAN) e plataformas para aplicações 5G, como FWA. Segundo ele, o mercado de acesso passa por um processo de desagregação, onde o software é o protagonista. “As empresas não querem mais trabalhar com um sistema fechado cujo funcionamento depende de equipamentos e ecossistemas de alguns poucos fabricantes”, diz.

Fabricada pela norte-americana Tibit, a OLT XGS-PON é uma OLT encapsulada em um transceiver no formato SFP+ capaz de transformar portas convencionais de switches e roteadores em portas XGS-PON fornecendo conexões de 10 Gbit/s. Todo o gerenciamento se dá de maneira virtualizada, o que garante flexibilidade e segurança. O XGS-PON atua em uma faixa distinta do GPON, permitindo que o sinal compartilhe a mesma fibra utilizada pelos equipamentos de seu antecessor. Já atributos como cálculo de orçamento de potência são iguais, não introduzindo nenhuma restrição para a instalação existente. Uma característica do equipamento é a possibilidade de o provedor adquirir uma porta OLT por vez, permitindo uma evolução gradual.

“Com investimentos menores, o provedor consegue ofertar serviços para mercados com maior poder aquisitivo. Ao utilizar uma OLT XGS-PON convencional, o custo da evolução tecnológica acaba sendo tão alto que muitos desistem”, finaliza Goetz.



Mais Notícias RTI



Master quer comprar provedores para dobrar base de acessos

Foco são operações até 15 mil assinantes.

23/05/2022


Banrisul inaugura data center em Porto Alegre

Estrutura é o primeiro Tier 3 em operação no Rio Grande do Sul.

24/05/2022


ITTV busca parcerias com provedores

O objetivo é oferecer capacidade de oferta de mais de 100 canais lineares de TV, programas adultos e infantis, documentários, noticiários, esportes, séries e filmes.

24/05/2022