Uma sondagem realizada pela Abinee - Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica, nos dias 8 e 9 de abril, sobre o impacto da pandemia na produção do setor eletroeletrônico, apontou que 97% das entrevistadas estão sofrendo efeitos negativos. 54% relataram que os impactos foram intensos e 43% moderados. Apenas 3% indicaram que não perceberam consequências desfavoráveis.

Quase metade das empresas (47%) já opera com paralisação parcial ou total na fabricação local. Esse resultado é bastante superior ao observado nas últimas duas pesquisas anteriores, de 6% (6 de março) e 24% (25 de março). Das empresas que já apontam paralisação, 20% estão totalmente paralisadas e 80% têm paralisação parcial.

Além das empresas que já estão paradas, outras 5% têm paralisação parcial programada com data definida. Mesmo com esse cenário, embora 36% das empresas não tenham programado paralisação na atividade, isto dependerá do tempo que a atual situação persistir.

"A última pesquisa revela que os impactos da pandemia no setor produtivo são graves e o importante é que cada setor industrial tenha claros os protocolos que deverão seguir visando ao retorno mais eficaz e tentando minimizar os impactos dessa crise sem precedentes", afirma o presidente da Abinee, Humberto Barbato.

Com esse novo cenário, aumentou de 21% para 40% o número de empresas que não atingiram a produção prevista para o 1º trimestre deste ano, que deverá ficar em média 20% abaixo da projetada. Por outro lado, 48% das entrevistadas acreditam que será possível manter a produção estimada para o trimestre, entretanto face aos reflexos ainda nos próximos meses, somente 8% acreditam que não haverá quebra na produção até junho.

Metade dos entrevistados (50%) afirmou que não será possível manter a projeção semestral, e os demais (42%) relataram que ainda não é possível determinar. Para aqueles que não conseguirão atingir a produção prevista para os primeiros seis meses deste ano, o resultado deverá ser em média de 31% abaixo do esperado.  Além disso, 40% das pesquisadas já revisaram suas estimativas para 2020 em cerca de 25% abaixo do que projetado. 

A sondagem da Abinee apontou ainda que 58% das pesquisadas apresentam dificuldades no recebimento de componentes, insumos e matérias-primas não somente da China, mas também de diversos outros países. Nas duas últimas pesquisas já foi observado que o problema deixou de estar concentrado nas importações de insumos chineses, somando-se dificuldades com outros países, como alguns outros da Ásia, alguns da Europa, e principalmente por problemas locais. 

O maior problema apontado na atual pesquisa passou a ser o custo dos fretes. Do total de entrevistadas que importam, 65% perceberam aumento. 39% relataram elevação de até 49%; 20% observaram aumento entre 50% a 199% e 6% identificaram expansão de mais de 200%.

Um outro problema é a dificuldade de acesso ao crédito. 34% das empresas relataram que as medidas adotadas pelo Banco Central, com o objetivo de aumentar a liquidez do Sistema Financeiro Nacional, não facilitaram efetivamente a adoção do crédito. As empresas informaram que os recursos do compulsório que foram reduzidos pelo Banco Central não estão sendo repassados pelos bancos.



Mais Notícias RTI



Agora Telecom adquire Fit Network para reforçar atuação em videomonitoramento

Aquisição irá incrementar vendas de soluções de segurança eletrônica.

29/06/2020


Vero Internet anuncia aquisição da MKA Telecom

Com o investimento, grupo com atuação em Minas avança para o Sul.

29/06/2020


Eaton fecha acordo com Klint para distribuição de sistemas de energia

Parceria inclui UPS monofásicos e trifásicos, módulos de baterias, placas de conectividade, ePDus - enclosure power distribution units e acessórios.

29/06/2020