As ETEs - Estações de Tratamento de Esgoto da Copasa - Companhia de Saneamento de Minas Gerais em Araxá, Frutal, Paracatu e Patos de Minas receberam, em janeiro, os chamados amostradores automáticos. Com isso, cerca de 410 mil pessoas desses municípios serão beneficiadas. 
Os equipamentos foram instalados nos canais denominados “pontos de coletas”, localizados antes da etapa inicial de tratamento e após a etapa final, e programados para colher amostras do esgoto tratado a cada 20 minutos. 
Essas amostras são recolhidas pelos empregados e levadas ao laboratório da unidade para realização de criteriosas análises, que constatarão se o efluente está devidamente tratado e pronto para retornar à natureza.
O supervisor de tratamento de efluentes, Elton Dornelas, explicou como a inovação contribui para a qualidade da prestação do serviço de esgotamento. “De forma manual, as coletas seriam realizadas a cada hora, podendo haver atrasos decorrentes de outras atividades. Durante esse intervalo, poderia chegar no efluente alguma substância que não seria detectada. Já automaticamente, esse risco é amenizado, pois coletas frequentes são mais representativas. Boas amostragens são condições para resultados fidedignos, garantindo maior controle no tratamento, de forma que permita não só atender, mas até superar as métricas estabelecidas pela legislação e órgãos regulamentadores”, destacou. 
Os oito amostradores automáticos adquiridos estão avaliados em quase R$ 145 mil.  
Segundo Renato Carvalho, gerente da Unidade de Serviço de Apoio Operacional Oeste, os benefícios vão além da pontualidade. “Agora os operadores não precisarão permanecer todo o tempo disponíveis para as coletas. Poderão ser redirecionados para outras frentes de serviços, dando maior celeridade às atividades de operação necessárias nos municípios”, concluiu.
Os novos instrumentos de amostragem e controle favorecem a realização de várias análises, mas especialmente a medição do nível de DBO - Demanda Bioquímica de Oxigênio, ou seja, a quantidade de oxigênio consumida por microrganismos presentes nas amostras dos efluentes.
Para garantir a correta calibração dos equipamentos, os operadores das ETEs, técnicos de tratamento e de laboratório passaram por treinamento, onde aprenderam, na primeira fase, a teoria sobre os aparelhos e suas plataformas de dados, e na segunda fase executaram a parte prática.



Mais Notícias HYDRO



Higra gera energia em tubulação de água

Economia anual para CAJ - Companhia Águas de Joinville será de R$ 300 mil.

27/02/2024


Com desestatização, Sabesp vai investir mais de R$ 157 bilhões na Grande São Paulo até 2060

Plano prevê atendimento a áreas rurais e bairros mais pobres das 37 cidades atendidas na região.

26/02/2024


A expertise da Cetrel no Zoneamento Hídrico e seu importante papel na gestão integrada de recursos

A empresa, com atuação desde 1978, é reconhecida nacionalmente por suas práticas inovadoras em água, efluentes e reúso, abrangendo setores que vão desde a indústria química e petroquímica até a farmacêutica e de cosméticos.

26/02/2024