A Vale inaugurou em Nova Lima, MG, uma planta piloto de concentração magnética de minérios de baixo teor de ferro, sem o uso de água. A tecnologia brasileira, conhecida pela sigla em inglês FDMS - Fines Dry Magnetic Separation, é única no mundo e foi desenvolvida pela New Steel, empresa comprada no fim de 2018. O piloto, que custou US$ 3 milhões, é o primeiro passo para a construção de uma planta industrial, que terá capacidade de produção de 1,5 milhão de toneladas por ano. O investimento no projeto é de aproximadamente US$ 100 milhões e o start up da planta comercial está previsto para 2022.

A Vale estima que, em 2024, 1% de toda a produção da empresa seja feita por meio do uso da tecnologia, que já tem patente reconhecida em 59 países. “A NS-03 é uma planta semi-industrial que tem por objetivo a realização de testes em escala piloto com diferentes minérios, permitindo a definição de parâmetros operacionais para projetos de escala comercial”, explica o presidente da New Steel, Ivan Montenegro.

A planta é a segunda a entrar em operação. Entre 2015 e 2017, uma unidade operou na mina de Fábrica, em Minas Gerais. Os bons resultados foram fundamentais para que a Vale enxergasse o potencial do FDMS. A nova planta-teste será capaz de concentrar 30 toneladas por hora de minério a seco, utilizando a tecnologia de separação magnética, feita por meio de ímãs de terras raras.

Com a New Steel, a Vale estima que, em 2024, 70% da produção seja beneficiada a seco ou a umidade natural, sem adição de água no processo de beneficiamento e sem uso de barragens de rejeito. Hoje, o percentual de minério de ferro processado a umidade natural pela empresa chega a 60%. Dos 30% da produção a úmido restantes em 2024, porém, 16% terão rejeitos filtrados e empilhados a seco. Apenas 14% da produção continuará sendo processada pelo método convencional, de concentração a úmido e destinação em barragens ou cavas de minas desativadas. Para isso, a Vale vai investir nos próximos anos US$ 1,8 bilhão na filtragem e no empilhamento a seco.

A New Steel consegue entregar um concentrado de até 68% de teor de ferro, a partir de minérios pobres, com até 40% de ferro, dependendo de sua composição química e mineralógica. Atualmente, essa concentração é realizada pelo método conhecido como flotação, que usa água. Na flotação, o rejeito é usualmente depositado em barragens. Com a tecnologia de concentração a seco, os rejeitos serão empilhados. A empresa já estuda formas de utilizá-los como insumo na indústria de construção civil, além de outras iniciativas como coprodutos.



Mais Notícias HYDRO



Governo do Ceará autoriza construção da maior usina de dessalinização do país

PPP terá capacidade de produção de água será de 1 m³/s.

26/07/2021


Instituto Trata Brasil lança o “esgotômetro”

Iniciativa inspirada no impostômetro mostra a precariedade do saneamento no país.

26/07/2021


Solução para gestão de perdas de água é pré-aprovada para financiamento do BID

SmartAcqua é baseada em inteligência artificial e machine learning.

26/07/2021