A Sabesp assinou mais seis contratos para execução de obras de esgotamento sanitário do Novo Rio Pinheiros, programa que prevê intervenções de saneamento e socioambientais com o objetivo de devolver o rio Pinheiros limpo à população até 2022. Esses contratos somam-se a outros seis que já estão em execução e, juntos, abrem 2,5  mil  vagas  de trabalho, número que vai aumentar com a assinatura dos quatro lotes restantes. Ao todo, os trabalhos foram divididos em 16 licitações.

Por se tratar de um programa essencial para a melhoria da qualidade de vida da população, as atividades do Novo Rio Pinheiros não foram paralisadas durante a quarentena pela pandemia da Covid-19 e têm contribuído para a geração de emprego num momento em que vários setores da economia sofrem os efeitos da crise. “Neste programa de despoluição do rio Pinheiros, uma das metas do nosso Governo, as obras iniciadas não foram paradas em nenhum momento nas sucessivas quarentenas que tivemos que implementar aqui em São Paulo”, disse nesta sexta-feira (15/5) o governador João Doria ao anunciar as novas contratações.

O secretário Marcos Penido, de Infraestrutura e Meio Ambiente, também ressaltou a importância do andamento das obras do programa: “Os demais serviços da EMAE, do DAEE e todo apoio da Cetesb em nenhum momento pararam e todo esse trabalho vem de encontro a esse momento, porque saneamento básico é saúde pública”.

Os seis contratos assinados para obras de saneamento do Novo Rio Pinheiros somam  R$ 681 milhões e vão ampliar a coleta e tratamento do esgoto de 280 mil  imóveis  localizados nas seguintes sub-bacias: Ribeirão Jaguaré, Alto Pirajussara, Baixo Pirajussara, Cidade Jardim/Morumbi, Águas Espraiadas e Pouso Alegre/Santo Amaro/Poli. Os trabalhos devem começar nas próximas semanas. As obras vão beneficiar diretamente uma população de quase 840 mil pessoas em todo o entorno.

As obras e ações estão sendo contratadas na modalidade de performance. Com esse modelo, a empresa que vence a licitação fica responsável por todas as obras  de  ampliação e adequação do sistema de esgotamento sanitário e sua remuneração depende do resultado obtido. Para avaliar a performance, serão consideradas metas como o total de novos imóveis conectados ao sistema de tratamento  de  esgoto e a qualidade da água do córrego. Os seis lotes que já  têm  obras  em  execução estão localizados nas sub-bacias dos córregos Corujas/Rebouças,  Ponte Baixa/Socorro, Aterrado/Zavuvus e Pedreira/Olaria e também na implantação do coletor-tronco Pirajussara e da rede coletora do Jardim Tramontano, na região do Morumbi.

Com investimento estimado em R$ 2 bilhões, as obras do Novo Rio Pinheiros vão beneficiar cerca de 3,3 milhões de  pessoas  que moram em locais abrangidos pela bacia do rio Pinheiros, uma área de 271 km² que inclui bairros nos municípios de São Paulo, Embu das Artes e Taboão da Serra. Por meio da implantação de coletores-tronco, redes coletoras e ligações, entre outras  medidas,  a iniciativa vai elevar o tratamento de esgoto na região em  2800 L/s, passando dos atuais 4600 L/s para 7400 L/s em 2022.



Mais Notícias HYDRO



Catalisador bio-orgânico facilita tratamento de água em torres e equipamentos

Solução patenteada nos EUA agora está disponível no Brasil.

22/09/2020


Ihara destinará até R$ 500 mil para programa de gestão de efluentes

Empresa lança edital para selecionar parceiros.

22/09/2020


Rio Javaés recebe estação para captação de monitoramento remoto de água

Iniciativa é uma parceria entre a ANA e a UFT.

22/09/2020