O Grupo Opersan vai instalar e operar um sistema de reúso de água industrial na Crown Embalagens, em Cabreúva, SP. O acordo amplia a parceria de gestão hídrica já existente entre as duas empresas desde 2018.

A Crown é fabricante de latas de alumínio para cerveja, refrigerantes, sucos e chás. Além de Cabreúva, a empresa possui mais cinco unidades fabris no Brasil. O contrato tem por objetivo principal o desenvolvimento técnico, implantação e operação de uma ETE - Estação de Tratamento de Efluente, que inclui como processo final um sistema de produção de água de reúso. A água tratada a partir do novo sistema deverá atender a rigorosos padrões de qualidade e será totalmente utilizada no processo produtivo da Crown Embalagens.

Atualmente, a unidade de Cabreúva da Crown Embalagens produz, aproximadamente, 3 bilhões de latas de alumínio por ano e, para fabricação desta quantidade, o consumo de água industrial é de aproximadamente 290 mil m³/ano. Toda a água industrial utilizada pela unidade antes do novo sistema de reúso ser implantado era oriunda de poços profundos e/ou concessionária pública.

Com a nova estação, os efluentes industriais continuarão a ser lançados para tratamento em um processo físico-químico convencional composto de coagulação, floculação, decantação e filtração final. Depois serão encaminhados para a nova unidade de reúso com tecnologia de membranas, com tanque de equalização, remoção de sólidos finos, dosagem química de nutrientes, reator biológico, tanques de membranas MBR, permeado, oxidação química e proteção microbiológica e desaguamento de lodo. O sistema MBR ocupará uma área de aproximadamente 450 m². A vazão média de tratamento será de 22 m³/h.

O efluente tratado será armazenado e encaminhado para o processo terciário de produção de água de reúso ou água industrial. Na eventualidade de não haver demanda para a água de reúso em algum momento específico da vigência do projeto, o permeado será descartado em corpo receptor, atendendo às exigências ambientais, conforme padrões descritos no artigo 11 do Decreto 8468/76.

O Grupo Opersan optou por utilizar a tecnologia de osmose reversa. O processo terciário será composto por tanque de água industrial bruta, unidades de filtração para pré-tratamento, sistema de decloração, unidade de osmose reversa de duplo estágio, tanque de água de reúso e bombeamento e limpeza química da osmose reversa.

No tanque de água industrial serão recebidas duas correntes, uma de água industrial oriunda do sistema de tratamento de água existente e outra proveniente do tanque de permeado do MBR. Essas duas correntes serão homogeneizadas e, por meio de um sistema de bombeamento, encaminhadas para uma unidade de pré-tratamento, composta de filtros tipo disco e de cartucho, antes de seguirem para o sistema de osmose.

São esperados os seguintes resultados:

● Redução de captação de água: 24 m³/h.

● 50% da água utilizada na fábrica será oriunda do processo.

● Redução mensal de aproximadamente 1500 toneladas de DBO e 6800 toneladas de DQO lançadas em corpo receptor, com eficiências de remoção superiores a 98%.

● Redução de outros contaminantes, que antes se encontravam enquadrados dentro dos limites permissíveis da legislação aplicável.



Mais Notícias HYDRO



BRK Ambiental se posiciona com relação ao novo marco do saneamento

Grupo deve investir pelo menos R$ 20 bilhões ao longo da vigência de seus contratos atuais.

30/06/2020


Mirassol e Palestina atingem um dos menores índices de perdas de água do Brasil

Com base em estudo recente do setor, municípios paulistas registraram índice de perdas abaixo da média nacional.

30/06/2020


ANA lança manual de medição de vazão em tubulações

Obra orienta profissionais a realizarem o monitoramento adequado de usos de água.

30/06/2020