A operação dos sistemas de tratamento de efluentes é um grande desafio para as indústrias alimentícias devido às elevadas variações de cargas orgânicas, presença de diferentes contaminantes e rigorosas exigências legais. Há, no entanto, modelos eficazes, como se observa no âmbito de parceria entre a Frooty, com sua fábrica processadora de açaí, na cidade de Poços de Caldas, MG, com o Grupo Opersan, especializado em soluções ambientais para o tratamento de água e efluentes.

Fernando Donnantuoni, coordenador de desenvolvimento de negócios do Grupo Opersan, relata que a parceria começou em 2018 em função da necessidade de a Frooty buscar o tratamento correto de seus efluentes e descartá-los em corpo receptor, conforme as determinações legais. O sistema instalado conta com pré-tratamento físico-químico para depuração parcial dos contaminantes, seguido de um processo biológico com membranas de ultrafiltração (MBR - Membrane Bio Reactor).

A parceria é na modalidade de negócio BOT - Build, Operate and Transfer. “O Grupo Opersan realiza com capital próprio todos os investimentos, incluindo os serviços de engenharia e todos os materiais e equipamentos necessários para a implantação do sistema, além de assumir os riscos relativos a prazos e custos com subfornecedores e colocar o processo em operação. Somente após comprovada a performance, passamos a ser remunerados pela prestação dos serviços operacionais, conforme condições comerciais acordadas, por um prazo contratual de sete anos”, diz o coordenador.

Durante todo o período contratual, o Grupo Opersan assume as responsabilidades ambientais pelo tratamento e enquadramento dos efluentes conforme legislação ambiental, bem como mão de obra, insumos químicos, descarte de resíduos, manutenções preventivas e corretivas, troca e substituição de equipamentos. “Transcorrido o prazo do contrato, transferirá a posse do sistema à Frooty, que receberá um ativo de comprovada garantia de tratamento”, salienta o especialista. 

Donnantuoni lembra que quando a Frooty procurou o Grupo Opersan para verificar a viabilidade técnica do tratamento dos efluentes, uma das possibilidades aventadas pela indústria alimentícia era a de tratamento offsite, que implica dependência de terceiros e elevados custos para a destinação dos efluentes líquidos na localidade. “Optamos por implantar a modalidade onsite, pois reduzimos os ônus operacionais, eliminamos riscos logísticos e proporcionamos autonomia ao cliente, com economia e maior controle/monitoramento de processo. Ademais, descartamos os efluentes tratados atendendo às rígidas exigências de padrões ambientais definidos pelas leis estaduais e federais. Há ganhos financeiros, de eficácia e ecológicos”, enfatiza.

O sistema instalado na Frooty, no qual o Grupo Opersan investiu mais de R$ 3 milhões, além dos custos anuais para manutenção e reposição de ativos, tem capacidade para tratamento de até 2500 mmensais de efluentes. “Além do aporte de recursos, o time de engenharia precisa estar constantemente atualizado com as mais avançadas tecnologias para propiciar a melhor relação de custo de investimento e operacional. Quando aplicável, também podemos oferecer o reúso da água como alternativa de processo, sem prejuízo ao inegociável atendimento integral às exigências da legislação ambiental”, frisa Donnantuoni.



Mais Notícias HYDRO



Governo de São Paulo anuncia novas medidas que impulsionam produção de biogás e biometano

Destinação dos gases é um desafio nas indústrias, aterros e estações de tratamento de efluentes.

21/05/2024


Novas elevatórias de esgoto trazem benefícios em Atibaia

Atibaia Saneamento aponta quais são os principais pontos de obras na cidade.

21/05/2024


Copasa contrata empresas para a prestação de serviços de atendimento ao público

Empresas estão selecionando agentes de relacionamento com o cliente.

21/05/2024