Executivos do setor de infraestrutura esperam um 2020 com queda em investimentos, baixa geração de empregos e atraso das reformas estruturantes. É o que aponta a nova edição do Barômetro da Infraestrutura Brasileira, sondagem semestral realizada pela ABDIB - Associação Brasileira da Infraestrutura e Indústrias de Base e EY. Contudo, há oportunidades para minimizar os impactos da crise, afirmam os entrevistados, e elas podem estar em setores com o saneamento, infraestrutura social e energia elétrica.
Considerado o setor com maior potencial para investimentos nos próximos três anos por 64,94% dos respondentes, o saneamento também dividiu expectativas positivas com a infraestrutura social, como construção de escolas e hospitais. Em 2019, menos de um quarto dos entrevistados via potencial no setor. Já em 2020, o índice passou para 42,2% e pode estar relacionado ao surgimento da pandemia da Covid-19, que expôs fragilidades no sistema público de saúde.
Questionados sobre o potencial de aprovação de reformas estruturantes, os executivos responderam, numa escala de um a dez, que as maiores chances estão na Reforma do Saneamento Básico (5,58) e na Lei Geral das Concessões (5,11). As concessões, aliás, são outro ponto de preocupação levantado pela pesquisa. 97,4% não acreditam que seja possível cumprir o cronograma de concessões federais e estaduais em 2020, enquanto apenas 1,9% esperam que os governos sejam capazes de manter os prazos do programa.
"A crise deteriorou o ambiente. O setor privado está pensando no curto prazo, em ajustar os contratos de concessão com os devidos reequilíbrios. Mas há apetite para os ativos de infraestrutura. Isso vale para o governo federal, estados e municípios. Os cronogramas das concessões que estão sendo estudadas vão sofrer atrasos, o que é natural, pois estudos precisam ser analisados com mais cuidado. O importante é modelar projetos bem qualificados e leilões de concessões com disputa", disse Venilton Tadini, presidente-executivo da ABDIB.
A pesquisa também trouxe uma visão sobre projetos de PPP - Parceria Público Privada. Para 39,61% dos respondentes, a União aproveita muito pouco o potencial para investimento em infraestrutura por meio de concessão e PPP.
Os municípios também são percebidos como entes que poderiam utilizar o potencial para investimentos em saneamento básico, resíduos sólidos, mobilidade urbana, iluminação pública e outras áreas que estão dentro da esfera municipal. Assim como na pesquisa anterior, aproximadamente 60% dos entrevistados demonstram que há interesse em que os municípios façam mais e que o setor está à procura de oportunidades de investimentos nas cidades.
O Barômetro da Infraestrutura Brasileira é uma sondagem semestral realizada pela ABDIB e EY de forma digital que captura a opinião de gestores de investimentos e especialistas que apoiam a estruturação de projetos de infraestrutura. As respostas capturadas em abril e contaram com 154 participantes.

 



Mais Notícias HYDRO



Portaria legaliza o uso de poços e águas subterrâneas

Segundo a ABAS, a GM/MS 888 corrige distorções e traz avanços importantes.

15/06/2021


Assembleia Legislativa de São Paulo aprova criação de unidades regionais de saneamento

Projeto impõe metas de universalização de água e esgoto no Estado.

15/06/2021


BNDES fará estudos para ampliar saneamento no Paraíba

Banco assinou contrato de estruturação de projeto com o Governo do Estado.

15/06/2021