Regulamentar equipamentos que produzem ozônio e disseminar conhecimento sobre as diversas aplicações da tecnologia no mercado brasileiro estão entre os objetivos da recém-fundada Abraozônio – Associação Brasileira de Ozônio.

“O ozônio é um poderoso bactericida, viricida e fungicida, que pode ser aplicado em diversos mercados, desde tratamento de água e ar até desinfecção de alimentos, superfícies e inúmeras outras funções”, explica Carlos Heise, presidente eleito para a primeira gestão.
Segundo a entidade, a ideia da associação surgiu pelo fato da fabricação do ozônio não ser regulamentada no Brasil, fato que dificulta para o consumidor discernir a forma correta de se fazer as aplicações ou mesmo entender o funcionamento de geradores de ozônio. No exterior, já existe a IOA - Associação Internacional de Ozônio, que divulga e recomenda boas práticas para os fabricantes.

“Desde o ano passado, com o início da pandemia, o ozônio vem ganhando relevância no mercado nacional. Lá fora, é aplicado há anos para tratamento de água potável e desinfecção em países como Estados Unidos, Canadá, Alemanha e Japão. As principais cidades do mundo já utilizam ozônio em suas estações de água fornecida para a população. Agora é a vez do Brasil”, projeta Heise.



Mais Notícias HYDRO



Portaria legaliza o uso de poços e águas subterrâneas

Segundo a ABAS, a GM/MS 888 corrige distorções e traz avanços importantes.

15/06/2021


Assembleia Legislativa de São Paulo aprova criação de unidades regionais de saneamento

Projeto impõe metas de universalização de água e esgoto no Estado.

15/06/2021


BNDES fará estudos para ampliar saneamento no Paraíba

Banco assinou contrato de estruturação de projeto com o Governo do Estado.

15/06/2021