Religadores e seccionalizadores



O levantamento mostra a oferta de empresas estabelecidas no Brasil e no exterior relativa a dois dos principais equipamentos empregados para eliminação rápida e segura de faltas em redes de distribuição. Eles são apresentados com suas características como número de polos, corrente e tensão nominais, número de ciclos de religamento e interfaces de comunicação (para os religadores), entre outras.




Reconhecidos em todo o mundo como equipamentos essenciais para proporcionar máxima continuidade de serviço de energia elétrica de forma simples e econômica, os religadores detectam e interrompem correntes de falta na rede de distribuição e restauram automaticamente o serviço após uma interrupção momentânea, ou bloqueiam o religamento, deixando o circuito aberto, em caso de falta permanente.

Seus mecanismos automáticos são projetados para abrir e fechar circuitos em carga ou em curto-circuito, comandados por relés de sobrecorrente de ação indireta (alimentados por TCs), que realizam as funções 50 e 51, e por relé de religamento (função 79). Nos atuais religadores microprocessados, os dispositivos sensores e de controle são microprocessadores dedicados que realizam as funções 50, 51 e 79 e várias outras. Equipamentos inteligentes, integram lógica para smart grids.

Religadores utilizam meios de interrupção similares aos disjuntores, sendo os mais comuns câmara de vácuo, ar, gás SF6 e óleo isolante. Entre os principais parâmetros para especificação de um religador estão: corrente nominal (deve ser maior que a corrente de operação do sistema); tensão nominal (deve ser igual ou superior à tensão máxima entre fases do circuito); capacidade de interrupção (igual ou maior do que a corrente de curto-circuito máxima assimétrica no ponto de instalação); e tensão suportável de impulso atmosférico (compatível com a classe de tensão do circuito).

Seccionalizadores são projetados para operar em conjunto com o religador (ou disjuntor com relé de religamento), ligados a jusante deste. Comportam-se como chaves de manobras automáticas de abertura em carga e capacidade de fechamento sob curto-circuito, de atuação coordenada com o religador de retaguarda — após este realizar um número programado de desligamentos, o seccionalizador abre seus contatos, isolando a área defeituosa a jusante antes da abertura definitiva do religador. Depois da falta isolada, o restante do circuito retorna ao serviço com o fechamento do religador. Portanto, os seccionalizadores estabelecem pontos adicionais de seccionamento automático em circuitos de distribuição de forma mais econômica — sua abertura se dá em momento em que o circuito já está desenergizado, não sendo necessário dotar este equipamento de alta capacidade de interrupção de curto-circuito.

Entre as principais características funcionais, estão: corrente nominal (especificada de acordo com corrente de carga máxima no local da instalação); tensão nominal (especificada de acordo com a tensão máxima de operação do circuito); capacidade de estabelecimento; e tensão suportável de impulso atmosférico.

Os fabricantes que aqui apresentam sua oferta de religadores e seccionalizadores são na maioria empresas internacionais, com forte presença na área. A maior parte das empresas ainda sem presença formal no País demonstram interesse em estabelecer representantes aqui, dado o mercado potencial brasileiro para esses equipamentos.






Compartilhe:

religador media tensão, religador mt, seccionalizador media tensão, seccionalizador mt, fabricante, importador, unipolar, tripolar, vacuo, sf6, ar, oleo, tc integrado, sensor tensão integrado, interface comunicação, usb, rs485, rs232, optica, logica integrada smart grid, norma, ieee c37.60, iec 60529, iec 60068, iec 61109, iec 62271-111

Voltar